Ueliton Brizon, de Cacoal, e outros profissionais perderam a vida ou foram agredidos apenas por trabalhar na imprensa nacional e mundial.

PORTO VELHO – Dia 02 de novembro também é Dia Internacional pelo Fim da Impunidade por Crimes contra Jornalistas. Por isso, o candidato à Prefeitura de Porto Velho pelo Cidadania (23), Vinícius Miguel, pediu mais respeito à profissão e o esclarecimento de casos envolvendo os profissionais da comunicação, como o do jornalista de Cacoal, Ueliton Brizon, mais conhecido como Brizonzinho, que foi assassinado à tiros, no dia 16 de janeiro de 2018.

Vinícius lamenta que muitos trabalhadores que lidam com a informação sejam ameaçados, agredidos ou mortos apenas por informar a sociedade. “O índice é assustador e nefasto pela sua simples existência de computar os mortos da imprensa. Não dá para ignorar isso em muitas democracias e é impressionante como a intolerância atinge mais essa parcela da sociedade”.

Ainda de acordo com o candidato do Cidadania (23), a impunidade de tais assassinatos segue sendo a regra em um contexto latino-americano, onde nem 20% dos crimes acabam tendo a autoria identificada. “A morte do Ueliton segue o mesmo padrão: ele era proprietário do site de notícias Jornal de Rondônia, conhecido por ser um entusiasta da renovação política e fez várias denúncias ao longo da carreira. Isso incomodou muita gente, que o calou para sempre”, afirmou Vinícius Miguel.

Mais mortes

Segundo levantamento da ONG Repórteres Sem Fronteiras divulgado nesta segunda-feira (02), 32 jornalistas e colaboradores da imprensa foram assassinados desde o início do ano. A RSF destaca que é um número abaixo de 2019 devido à pandemia, mas que continua preocupante.

Já Vinícius Miguel reitera novamente o compromisso de dignidade com o trabalho da imprensa brasileira e pede justiça para os crimes que ainda seguem sem solução, para dar um pouco de conforto às famílias que perderam pessoas queridas para a violência e intolerância.

Texto: Felipe Corona