Porto Velho – Alegando graves problemas de saúde, o ex-deputado e ex-presidente da Assembleia Legislativa, Marcos Donadon – um dos quatro ex-presidentes da Assembleia condenados e presos – conseguiu uma medida humanitária do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e poder´pa cumprir o restante da a pena de 25 anos em regime domiciliar (em casa).

Ainda são desencontradas e inexatas a situação e paradeiro do ex-parlamentar que, mesmo preso, conseguiu ver a mulher, Rosângela Donadon, se eleger duas vezes deputada estadual.

Uma “doença grave”, de acordo com a defesa, teria acometido o condenado, que, por sua vez, cumpria a pena de 25 anos e sete meses de reclusão até então em regime fechado.

A condição debilitada de saúde o credenciou a pleitear diretamente ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a concessão de habeas corpus a fim de cumprir o restante da pena imposta em casa.

Na última terça-feira (10), a Sexta Turma do STJ se reuniu a fim de ouvir as alegações do advogado Heffrén Nascimento da Silva, apresentadas via sustentação oral, e, norteada pelo voto do ministro-relator Nefi Cordeiro, concedeu a ordem tirando o ex-deputado da cadeia.

De acordo com o site Folha do Sul Online, de Vilhena, Marcos Donadon já está em sua residência em Porto Velho.

Como o acórdão ainda não foi publicado pela Corte ainda não há como saber qual a patologia que o teria acometido.

Operação Dominó

A operação Dominó foi deflagrada em 2006 para investigar desvios na Assembleia Legislativa de Rondônia e culminou na prisão de 20 pessoas ligadas aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

De acordo com o Ministério Público, estima-se que R$ 70 milhões foram desviados em contratos fraudulentos. Os acusados foram julgados em 2008, mas recorreram do processo, adiando a execução provisória condenatória expedida pelo Tribunal de Justiça de Rondônia. Alguns foram presos e já foram colocados em liberdade.