Nomeado chefe interino da superintendência de Licitações do Município, Tezzari acatou recurso da empresa JTP, que havia sido inabilitada pela sua antecessora

PORTO VELHO – O presidente da Emdur, Thiago dos Santos Tezzari, não tem dúvidas: Há interesses ocultos, conforme disse em documento enviado ao expressaorondonia, relativo à concorrência pública de seleção de empresa de transporte coletivo para ser contratada pela prefeitura de Porto Velho. Nomeado chefe interino da superintendência de Licitações do Município, ele acatou recurso da empresa JTP Transportes, Serviços, Gerenciamento e Recursos Humanos LTDa, segundo ele, “com fundamentação técnica e jurídica”.

Esses “interesses ocultos” dos que “não disputaram a licitação, mas que pretendem tumultuar o processo de concessão” visam dificultar a solução “do precário serviço de transporte público” na capital. Tezzari acrescenta que o documento em que decidiu acatar o recurso da JTP Transportes foi encaminhado ao Tribunal de Contas do Estado, ao Conselho Regional de Contabilidade e à Receita Federal.

Veja, na íntegra, a manifestação de Thiago Tezzari:

          Nota para a Imprensa

Estou Presidente da Empresa Pública Municipal de Desenvolvimento Urbano de Porto Velho e fui nomeado, interinamente, para acumular num período curto de tempo a função de Superintendente da Superintendência Municipal de Licitações, em virtude de um problema de saúde da Superintendente Patricia Damico do Nascimento Cruz, que teve que se submeter à uma cirurgia oftalmológica.

No exercício das minhas atribuições, por meu entendimento, resolvi acatar o recurso da empresa JTP TRANSPORTES, SERVIÇOS, GERENCIAMENTO E RECURSOS HUMANOS LTDA, com fundamentação técnica e jurídica.

Fiz questão de encaminhar cópia da decisão e documentos sobre o processo ao Conselho Regional de Contabilidade, Receita Federal e ao Tribunal de Contas do Estado de Rondônia, garantindo a transparência dos meus atos e permitindo a ampla fiscalização pelos órgãos competentes.

Vejo que estão em jogo os interesses da população de Porto Velho, que possui um serviço precário no transporte público, constantemente paralisados, com atrasos no pagamento dos pela atual concessionária, causando insegurança para toda a sociedade

Estamos enfrentando interesses escusos daqueles que não disputaram o certame licitatório, deixando apenas uma empresa como participante, mas que pretendem tumultuar o processo de concessão e dificultar a mudança do cenário caótico do transporte público municipal.

Thiago dos Santos Tezzari