Situação do sistema educacional rondoniense é enfocado durante a 1ª Reunião Técnica do TCE

 

PORTO VELHO – Informações, dados, casos de sucesso, boas práticas e uma situação geral do quadro da educação em Rondônia, envolvendo desde o ensino básico até o superior, foram objeto de apresentações e debates ao longo dessa quinta-feira (16), dentro da programação da 1ª Reunião Técnica realizada pelo Tribunal de Contas de Rondônia (TCE-RO), em Porto Velho, com foco no controle das políticas e programas públicos educacionais.

Secretário de Educação do Estado, Suamy Abreu

Na ocasião, representantes do sistema educacional rondoniense estiveram em ação, repassando ações, projetos, conquistas, desafios, problemas verificados, a importância do controle para a educação e sugestões de melhorias para o segmento educacional.

Em todas as apresentações houve espaço para intervenções, particularmente dos especialistas em educação convidados, representando entidades como Falconi Brasil, Instituto Articule, Paulon Treinamentos, Todos pela Educação, Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede), assim como membros e técnicos do TCE-RO, do TCE-RS e do TCU.

Intervenções foram feitas pelos especialistas em educação convidados, assim por membros e técnicos dos órgãos de controle

MANHÃ

Abrindo as apresentações pela manhã, os secretários de Educação do Estado, Suamy Vivecananda Abreu, e do município de Porto Velho, Márcio Félix, discorreram sobre ações, projetos e trabalhos desenvolvidos por suas pastas, visando à melhoria da educação, respectivamente, no Estado e na capital.

O presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), seccional Rondônia, Vilson Sena de Macedo, que é secretário de educação do município de Espigão do Oeste, expôs a visão dos dirigentes municipais em relação à situação da educação em Rondônia.

Na condição de “caso de sucesso”, foi apresentada a situação da Escola Estadual de Ensino Fundamental Branca de Neve, que alcançou a melhor nota no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em Porto Velho. A diretora Hindira Mendes detalhou ações e atividades que são desenvolvidas na escola e que permitiram alcançar o resultado, assim como a melhoria do ensino para os alunos matriculados.

TARDE

Professora Maria Berenice, representante da Unir

No período da tarde, as professoras Maria Berenice Tourinho e Ana Maria Lima, da Universidade Federal de Rondônia (Unir), trouxeram um panorama geral da situação do ensino superior naquela unidade. Na sequência, o pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação (Propesp) do Instituto Federal de Rondônia (IFRO), Gilmar Alves Lima Júnior, abordou conquistas e avanços de sua instituição, frisando o trabalho na educação integral e pesquisa aplicada.

O Conselho Estadual de Educação de Rondônia (CEE-RO), por sua presidente Francisca Batista da Silva, também foi destacado. Foram citadas suas ações e desafios, entre os quais, a carência de pessoal, o que dificulta o próprio trabalho do conselho para fiscalizar e avaliar a qualidade do ensino.

Além de destacar os objetivos da União dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme) em Rondônia, seu vice-coordenador, Gilvan Vasconcelos, pontuou finalidade, atribuições e, principalmente, dificuldades enfrentadas pela entidade e pelos 40 conselhos de educação hoje instalados e atuando nos municípios. Agradeceu ainda a oportunidade dada pelo TCE, abrindo espaço e, assim, auxiliando no fortalecimento dos conselhos municipais.

O presidente da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero), Marcelo Thomé, abordou, primordialmente, o movimento Rondônia pela Educação, uma articulação de instituições públicas (entre as quais, o TCE-RO), empresas e pessoas, que estão dispondo de seu tempo na idealização de projetos e ações, cujo objetivo principal é zerar o analfabetismo em Rondônia.

Encerrando as apresentações e o primeiro dia da Reunião Técnica do TCE-RO, o coordenador do Pacto pela Aprendizagem, Valdo Alves, explicou diretrizes e objetivos do projeto, que busca assessorar os prefeitos para melhorar a qualidade da educação. O projeto precisa ser estruturado por leis municipais, a fim de evitar que a troca do gestor municipal interfira no andamento do processo, até porque o resultado é de médio e longo prazos, e depende da continuidade das ações para um resultado positivo.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria Institucional TCE/RO