Cerâmica vermelha na ordem do dia /Foto Rosinaldo Machado

PORTO VELHO – O setor ceramista pode driblar a crise. Pelo menos é o que se deduz após a reunião de empresários e entidades, na sede da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero) e em Cacoal, para apreciar a revisão da NBR 15.270 – Componentes Cerâmicos e as diretrizes da edição 2017 do Programa de Apoio e Competitividade das Micros e Pequenas Empresas (Procompi).

A cerâmica vermelha entrou em pauta. Para o consultor da Associação Nacional da Indústria Cerâmica (Anicer), Bruno Frasson, todas as ações se alinham às atuais necessidades do setor e ao momento econômico vivido pelo País, com ênfase na redução de custos e melhor aproveitamento de ferramentas e recursos disponíveis na estrutura de cada indústria.

A edição 2017 do Procompi terá quatro frentes de trabalho: consultoria para eficiência energética; consultoria para adequação de processo produtivo; capacitação em custos e formação do preço de venda; e missão técnica.

Os ceramistas foram orientados a organizar despesas, receitas, formatar preços de vendas, de forma justa e competitiva, utilizar forma mais racional a energia consumida na produção, adequar-se a normas reguladoras, e participar de intercâmbios com visitas a uma feira.

O programa de apoio é fruto dos bons resultados obtidos por 26 empresas rondonienses de 11 municípios, atendidas pelo projeto há três anos. À época, foram feitas duas consultorias, uma ambiental e a outra voltada à qualificação no Programa de Saúde e Qualidade.

“Os números são indiscutíveis: 46% aumentaram a produtividade; 35% adotaram ações de Saúde e Segurança no Trabalho (SST); 27% aumentaram a conformidade dos produtos em relação às normas técnicas; 60% de redução média de perdas; 11% foi o aumento médio do faturamento bruto; 69% de aumento da satisfação dos clientes e 38% adotaram a conduta ambiental”, informou Frasson.

O consultor acredita que as duas reuniões “superaram expectativas”. “Os ceramistas estão dispostos a se adequar e com isso preparamos o segmento para enxugar custos e aumentar a qualidade do produto”, observou.

“O empresário precisa ser inovador e competitivo ao mesmo tempo”, opinou o superintendente da Fiero, Gilberto Baptista.

Ceramistas reunidos na sede da Fiero /Fotos Assessoria

Fiero e Serviço de Apoio à Pequena e Micro Empresa (Sebrae) atualmente orientam empreendedores “a entender seu negócio e buscar alternativas”. Segundo ele, o que ocorre em outras indústrias pode ser aproveitado em Rondônia, com ganho de produtividade e aumento dos recursos.

Baptista lembrou que a abrangência do programa é estadual e são os empresários que dirão onde a Fiero e o Sebrae irão atuar e o que farão para alcançar as metas estabelecidas e resultados. Segundo o assessor técnico do Procompi em Rondônia, Antonio Rocha Guedes, a viabilização do projeto requer a adesão de 25 empresas. Informou que estão mobilizados o Sindicato da Indústria Cerâmica e a própria Anicer.

Guedes diz que houve cinco adesões em Porto Velho e 20 em Cacoal.  

“A atual fase ainda exige muito trabalho, mas a vantagem é que apresentamos um produto conhecido e cujos resultados, em sete edições, foram expressivos; é muito mais fácil apresentar um produto de sucesso”.

Sete edições do Procompi alcançaram ótimos resultados. O conjunto de ações, incluindo pacote de consultorias e a participação em evento nacional, capacitação e treinamentos trouxe a diferença, porque ofereceu consultorias e capacitação e gestão de modo geral.

Guedes ainda destaca o intercâmbio setorial, que constitui a participação dos empresários em evento nacional.

Para o gestor do Procompi no Sebrae-RO, João Machado, é fundamental que as recomendações dos consultores sejam aplicadas. “Pode ser o melhor consultor, mas se o empresário não seguir as orientações, todo o trabalho pouco adiantará. Sabemos que o dia a dia é corrido, no entanto, é preciso reservar um tempo junto ao consultor, do contrário será perda para todos”.

Para o empresário Paulo Ângelo, da Cerâmica Santa Catarina, as consultorias trouxeram ótimos resultados, a eles se acrescentando a feira da Anicer e as visitas às indústrias maiores e com grande produção.

Em Cacoal, 20 empresários participaram, entre eles o vice-presidente da Fiero, Osvaldo Rosalino. O empresário destacou o trabalho do presidente Marcelo Thomé à frente da Fiero e a importância do Procompi para fortalecer setores da indústria rondoniense.

O presidente do Sindicato das Indústrias Cerâmicas de Rondônia (Sindider), Túlio de Almeida, destacou a importância do projeto Procompi para a indústria cerâmica, citando resultados da edição anterior. O Procompi Rondônia é articulado pela Anicer e Sindicer, com apoio do Sistema Fiero, Sebrae e da Confederação Nacional da Indústria.