O papel da Justiça Eleitoral é garantir o equilíbrio nas disputas eleitorais

PORTO VELHO – O presidente da Associação dos Magistrados do Estado de Rondônia (Ameron), desembargador Alexandre Miguel, foi empossado na tarde da última sexta-feira (29), ao cargo de Corregedor regional eleitoral e vice-presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Rondônia. O magistrado vai compor a Corte Eleitoral durante o biênio 2020/2021.

Para o desembargador Alexandre Miguel os avanços tecnológicos foram fundamentais para a evolução do sistema eleitoral no Brasil, mas também é preciso cuidar sempre para eliminar eventuais influências sobre o eleitor que possam causar desequilíbrio no pleito eleitoral, como por exemplo, o abuso do poder econômico, político e mesmo do uso indiscriminado e indevido das mídias sociais que hoje vem sendo usado por muitos setores da sociedade civil.

Na mesma solenidade também foi empossado como presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Marcos Alaor Diniz Grangeia. Na ocasião o presidente enfatizou a importância do exercício jurisdicional independente. “Para que a esperança exista, cabe à Justiça Eleitoral garantir a lisura das eleições e com o rigor da lei, a celeridade, a imparcialidade e a legitimidade, impor a punição, o afastamento e o banimento do processo eleitoral democrático aos fraudadores da democracia. Saibam todos que a Corte Eleitoral de Rondônia sempre esteve e sempre estará atenta aos maus políticos e maus eleitores que desrespeitam a soberania popular”, proferiu.

A Justiça Eleitoral também conheceu e empossou os suplentes dos cargos diretivos. O desembargador Hiram Souza Marques foi empossado como suplente do presidente do TRE e o desembargador Daniel Ribeiro Lagos assumirá a suplência do vice-presidente e corregedor regional.

Os novos dirigentes da Justiça Eleitoral de Rondônia foram indicados pelo Tribunal de Justiça e vão ter a missão de conduzir os trabalhos durante as eleições municipais de 2020.