Capital contabiliza 21 casos, mas esse do taxista é considerado ainda como suspeito; não entra nas estatísticas

PORTO VELHO – A Secretaria Municipal de Saúde está solicitando aos usuários de táxi que, por ventura, tenham tido contato com o taxista aparecido Lopes, o Leão, para fazer contato com o Departamento de Vigilância em Saúde do município, para adoção das medidas de biossegurança.

Os telefones do DVS são os 3223-5958 e 098473-7909.

Sobre a morte do taxista Aparecido Rodrigues Lopes (Leão) com suspeita de Covid-19, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), esclarece que:

O atendimento ao paciente foi realizado seguindo os protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde e pela Nota Técnica da Vigilância Epidemiológica;

O paciente procurou a UPA Leste no último dia seis com sintomas gripais (febre leve, tosse e falta de ar). Após a triagem, o paciente foi colocado em isolamento, examinado, realizados exames laboratoriais, coletado material para testagem de Covid-19 e medicado, ficando em observação;

Recebeu alta com prescrição médica e orientação para isolamento social, em função da suspeita de Covid-19 e retorno se piora dos sintomas;

Além disso, o paciente era portador de diabetes mellitus e hipertensão arterial sistêmica (fazia uso recorrente de medicamentos);

Tão logo foi informada do óbito, o Departamento de Vigilância em Saúde (DVS) acionou os setores envolvidos para investigação do caso, inclusive orientado sobre a necessidade de rigor com as medidas de biossegurança que o caso necessita;

O DVS solicita que os passageiros que tiveram contato com o taxista, que informe a vigilância epidemiológica através dos telefones 3223-5958 e 098473-7909.

21 CASOS DE COVID-19 EM PORTO VELHO

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) informa mais dois casos positivos para coronavírus (Covid-19) em Porto Velho, confirmados na manhã desta quarta-feira, 8. Agora são 21 o total de pessoas que testaram positivo para a doença na Capital.

Os dois pacientes são uma mulher (22 anos) e um homem de (24 anos) passam bem e se recuperam em casa. Ambos são casos clínicos-epidemiológicos, ou seja, convivem com outro caso confirmado laboratorialmente e apresentam sintomas claros da doença.

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) e Departamento de Vigilância em Saúde (DVS) da Semusa estão atuando para bloquear a cadeia de transmissão do vírus, com orientações e monitoramento dos pacientes.

Fonte: Condecom

Com informações do rondoniaovivo.com