A investigação começou a partir de contestações feitas na Caixa e houve o cruzamento de dados com o núcleo de inteligência da PF, na chamada Estratégia Integrada

PORTO VELHO  – A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quarta-feira, 24, a Operação Desdouro, para combater fraudes no pagamento do Auxílio Emergencial em Rondônia. Foram realizadas diligências que incluíram busca e apreensão em endereço do principal suspeito de realizar as fraudes na cidade de São Francisco do Guaporé. A Justiça Federal em Ji-Paraná determinou diversas medidas restritivas de diretos e bloqueio de bens, que poderão servir para reparar os dados causados ao Estado.

Nesta primeira etapa, a PF busca provas para identificar outros indivíduos vinculados aos crimes e outras fraudes cometidas.

As investigações apontam que era fraudado o programa do auxílio emergencial com pedidos de pessoas que não tinham solicitado a ajuda e os valores eram usados no pagamento de boletos.

A investigação começou a partir de contestações feitas na Caixa e houve o cruzamento de dados com o núcleo de inteligência da PF, na chamada Estratégia Integrada, em curso. Esta que tem foco contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial, com atuação da PF, do Ministério da Cidadania, da Caixa Econômica Federal, Ministério Público Federal (MPF), Receita Federal (RF), Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU).

O programa do governo federal foi desenhado para ajudar trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados que perderam a principal fonte de renda diante da crise causada pela pandemia de covid-19. Um dos critérios para receber a ajuda de R$ 600 ou R$ 1,2 mil é ter renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda mensal total de até três salários mínimos.

A PF continuará com ações para identificar e combater crimes relacionados a estas fraudes.

Eventuais denúncias sobre fraudes podem ser feitas à PF em Vilhena através do telefone 69-3316-1600.

Fonte: Assessoria 

Print Friendly, PDF & Email