PORTO VELHO – Desde que foi desativado o Terminal Municipal de ônibus de Porto Velho encontra-se abandonado. As ocupações tornaram-se recorrentes depois que o antigo Terminal de Integração foi paralisado na gestão do atual prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves. O local construído na gestão do ex-prefeito Mauro Nazif está ocupado por moradores de rua e usuários de drogas.

No último dia 8 de outubro foi realizada uma reunião com 17ª Promotoria de Justiça do Ministério de Justiça Habitação, Urbanismo e Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico do Ministério Público de Rondônia sobre a atual situação do antigo Terminal de integração. Na reunião participaram representantes da Associação de Ferroviários, Secretaria Geral de Governo (SGG) e Secretaria Municipal de Serviços Básicos (SEMUSB) que discutiram medidas previstas para o local.

Conforme acordado os representantes do município deveriam realizar intervenção de caráter de urgência no terminal, como a retirada dos ocupantes do local e a colocação de tapumes ou reativação das linhas de ônibus, até que se executasse o projeto de revitalização. A medida deveria ser realizada pelas secretarias envolvidas (SEMTRAN, SEMUSB, SEMASF) e Polícia Militar.

De acordo como Vice-Presidente da Associação de Ferroviários George Teles, conhecido como o Caricoa, até o momento nenhuma ação foi realizada no local. Ele enfatiza que os moradores e comerciantes do local estão passando por diversos transtornos devido ao abandono e mudanças no trânsito de ônibus. “Quem vai na feira tem medo de ser assaltado. O local virou um ponto de violência, é importante revitalizar o terminal para afastar os usuários de drogas e reduzir a prática de crimes. Em uma semana é possível resolver essa situação, basta ter boa vontade’’, disse o Carioca.

Há 15 anos Antônio Ferreira trabalha como vendedor no Cai N’Agua disse que a desativação do terminal diminuiu o movimento do local. “Eu me coloco no lugar dos clientes, se fosse para eu ir comprar em um lugar que tem um ponto enorme de prostituição, lotado de moradores de ruas e usuários de drogas, sem ônibus eu não levaria minha família lá’’, pontou.

Adriano Nogueira mora há sete anos em frente ao antigo terminal, disse que a noite os roubos são frequentes e a escuridão do local facilita a violência. “Ninguém vai parar aqui do jeito que está, para vir o pessoal da praça Jonatas Pedrosa precisa de um banheiro e passagem de ônibus nesse lugar”, enfatizou.

“Será que o Prefeito ou Governador não olha para os moradores e comerciantes da redondeza que foram prejudicados? A situação desse local afasta as pessoas, a cara da Baixa União não muda, será que um dia vamos ter um investimento no centro da nossa cidade?”, finalizou Ferreira.

 

 

 

Fonte: Assessoria/ASFEMAM