RONDÔNIA – Os avanços de infraestrutura logística através de melhorias de rotas rodoviárias, hidroviárias e aeroviária, acrescentando novas rotas aéreas, bem como a construção, implementação e consolidação de estruturas alfandegárias e de fiscalização sanitária são algumas das ações que devem ser implantadas para consolidar o mercado do Brasil com a Bolívia. Estas foram as propostas apresentadas pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), Marcelo Thomé, durante live promovida pelo SEBRAE na última sexta-feira, 15.

Com relação às relações comerciais, Thomé apresentou dados de negócios, mais especificadamente de Rondônia, que é exportador de colchões para a Bolívia. “Existe um fortalecimento da agenda comercial, e a balança comercial é bem equilibrada. Podemos citar a compra gás natural boliviano. Além disto o potencial logístico de Porto Velho através do porto, pode auxiliar na conclusão de escoamento de produtos boliviano”, afirmou.

O diretor superintendente do SEBRAE Rondônia, Daniel Pereira foi o mediador do encontro virtual e apresentou um breve histórico das relações comerciais entre os dois países. Apresentou vídeos de melhorias já consolidadas que podem servir para escoamento da produção boliviana, como o porto de Porto Velho. Durante a live foi exibido um case de uma fábrica de aviões de Ariquemes, que constrói aeronaves de pequeno porte para duas a quatro pessoas, e que espera expandir seus negócios também para o mercado boliviano.

Jorge Nuñez del Prado, representante do estado do Beni, disse que está otimista na ampliação das relações comerciais com o Brasil e outros países, pois o presidente eleito, Luis Arce pretende impulsionar a construção de portos no país, para consolidar hidrovias ao estilo do Rio Madeira, no intuito de facilitar o trânsito dos produtos bolivianos até o Brasil e outros países. “Vislumbramos grandes oportunidades de negócios entre a Bolívia, Brasil e demais países vizinhos e outros mercados”, disse.

O empresário Dário Lopes que tem negócios junto ao mercado boliviano afirmou que em 2017 esteve em Guajará-Mirim, e na oportunidade manteve contato com Daniel Pereira, que na época era vice-governador do Estado, a fim de ampliar os negócios entre os dois países. “O resgate do tratado de Petrópolis e torná-lo novamente uma realidade abre as portas da Bolívia. Um exemplo é o investimento na extração de sal, que pode ser exportado para o Brasil, uma vez que Rondônia hoje possui um rebanho com mais de 14 milhões de cabeças de gado.

 

O executivo boliviano Jorge Chavez, ressaltou que os negócios envolvendo o agronegócio Brasil e Bolívia é uma relação natural e que está consolidada desde a época da borracha. “Mas para fortalecer esses laços é necessário criar alternativas de exportação dos produtos bolivianos através da hidrovia do Madeira”, ponderou.

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social FIERO

Print Friendly, PDF & Email