Enquanto isso, o Flor do Maracujá Virtual vai indo de vento em popa, ontem tivemos as apresentações das juninas: Nova Estação e Nova Junina do Orgulho.

O bacana da live, são os comentários (centenas), principalmente dos integrantes do grupo que está se apresentando. As declarações de amor são a tônica, seguida da saudade do Arraial e da apresentação individual de cada item.

**********

Diferente do Flor do Maracujá presencial, o Flor Virtual não tem provocado discussão nas redes sociais. No presencial, ainda com o grupo se apresentando, os comentários bombam e em sua maioria, denegrindo a apresentação do grupo contrário. Ninguém perdoa ninguém, o pau quebra e a baixaria rola solta.

**********

Já na versão virtual, que está acontecendo todas as noites a partir das 19 horas, em live transmitida pelo Conexão Norte (youtube), Página da Federon e da Unajup no face, os comentários são na maioria de elogios àquele grupo que está se apresentando.

**********

A Pandemia parece, acabou com a rivalidade ferrenha entre grupos de quadrilhas e bois bumbás. Não sei se isso é bom!

**********

Particularmente, sou a favor das “cutucadas” entre grupos contrários, o paz e amor é bom, mas, não agita a galera.

**********

Quanto as apresentações de ontem: A Nova Estação talvez, tenha sido a junina que mais impactou no Flor do Maracujá de 2019, ao realizar aquela magnifica entrada, com o Crucifixo elevado por um guindaste, posicionado por detrás do palco e a entrada de Nossa Senhora.

***********

O Allan Berg é considerado um dos melhores marcadores de quadrilha em Porto Velho, além de batalhador como presidente da agremiação, que ensaia na quadra do Colégio Juscelino Kubtscheque, que mais uma vez, fez ótima apresentação falando de FÉ

*********

Como nem tudo são flores, o grupo foi prejudicado, justamente pelo seu marcador, que demorou demais na apresentação de alguns itens e o resultado, foi que a Quadrilha saiu da arena de dança correndo, além de sair além do tempo de sua apresentação, o que fez com que o grupo fosse punido com a perda de alguns preciosos pontos, o que levou o grupo a ser rebaixado para o grupo de acesso.

**********

Caso tivesse acontecido o Flor do Maracujá presencial, a Nova Estação teria que disputar uma vaga no Grupo de Aceso para voltar ao grupo Especial. O Allan anunciou no final da live de ontem, que a Nova Estação caso houvesse o Flor do Maracujá presencial, não iria se apresentar este ano.

**********

Enquanto isso o Raymisson Correia, colocou a Nova Junina do Orgulho entre as melhores do Flor do Maracujá, pois, conquistou o direito de se apresentar mais uma vez pelo Grupo Especial.

**********

A turma do Orgulho do Madeira dançou mostrando o que existe no nosso Rio Madeira, assim, conquistou o público e os jurados e na noite de ontem, conquistou os telespectadores.

**********

O Raymisson realiza um trabalho dos mais elogiáveis junto à comunidade do Orgulho do Madeira, a Nova Junina do Orgulho não é apenas um grupo de dança de quadrilha, eles desenvolvem um trabalho social muito importante. Raymisson merece nosso respeito.

**********

Desde a noite de segunda feira, a dupla dinâmica Emilli Souza e Juraci Junior abriram espaço na live “Flor do Maracujá Virtual” para quem quiser divulgar seus produtos, em especial artesanato.

**********

Ninguém paga nada, basta enviar o comercial via face do Conexão Norte que os dois fazem questão de divulgar e com isso, eles vão ganhado alguns “Recebidos”, inclusive lanches e outros mimos. Valeu dupla.

**********

Lembrando que na noite desta quarta-feira 15, vamos assistir no Flor do Maracujá Virtual, as apresentações dos grupos:

***********

Jucadiro a junina comandada pela Gilmara. Posso garantir que a apresentação do ano passado foi show.

**********

A 6ª Noite do Flor do Maracujá Virtual será encerrada, com a apresentação do Boi Bumbá Tira Teima que vem do Ulisses Guimarães mostrar com certeza, um verdadeiro espetáculo de dança folclórica.

**********

Encerro esta coluna mandando um abraço ao amigo Fabiano Barros e ao vereador Waldemar Neto.

 

 

 

 

Por Silvio Santos