Um policial relatou que "após ser atingido pela flecha, Rieli deu um grito, arrancou a flecha e voltou pra trás correndo. Ele consegui correr 50, 60 metros e já caiu praticamente morto”, diz

Zé Katraca

PORTO VELHO – O indigenista da Funai Rieli Franciscato morreu nesta quarta-feira (9) em Seringueiras (RO) após ser flechado no peito por índios isolados. Ele era o coordenador da Frente de Proteção Ambiental Uru-Eu-Wau-Wau, encarregado de monitorar o grupo, que já havia aparecido na região em junho. “Rieli trabalhou a sua vida inteira na defesa dos índios isolados”, afirmou Ivaneide Cardozo, da ONG Kanindé. “A vida dos isolados está em perigo, e eles não sabem quem são seus defensores”.

Horas antes do incidente, um morador da zona rural de Seringueiras (530 km ao sul de Porto Velho) filmou um grupo de isolados. Na gravação feita por celular, ele aparece gritando “cambada de vagabundos” e “sem-vergonha” para espantá-los. Eram cerca de 10h no horário local.

*********

Acionado, Rieli foi para o local em seguida, segundo o coordenador da Funai em Ji-Paraná, Claudionor Serafim.

**********

“Ele recebeu a notícia que mais ou menos cinco indígenas apareceram por volta do meio-dia. Ele se deslocou com dois policiais para verificar a situação in loco. Chegando lá, conseguiu entrar um pouco pra dentro da mata, e os índios começaram a meter flecha”, afirmou Serafim, em mensagem de áudio a colegas, via WhatsApp.

***********

Um dos policiais que acompanhou Rieli relatou que o indigenista foi atingido no peito. “Ele deu um grito, arrancou a flecha e voltou pra trás correndo. Ele consegui correr 50, 60 metros e já caiu praticamente morto”, diz o relato. “Nosso amigo se foi, infelizmente.”

***********

O grupo de índios é conhecido como “isolados do Cautário”, nome de um rio da região. A Funai descobriu e monitora o grupo desde os anos 1990.

**********

“O Rieli era uma das pessoas mais experientes do indigenismo. Temos vários amigos aposentados, como eu. O Rieli era o único que continuava atuando. Infelizmente, abandonado pela Funai, sem nenhuma condição de trabalho, sem equipamento, sem pessoal, improvisando para poder defender os índios isolados”, afirma Armando Soares, indigenista aposentado e amigo de Rieli.

*********

“Sinto muito pelo Rieli. Mas eu sinto muito também pelos uru-eu-wau-waus e pelos amondawas, que perderam um grande parceiro. Agora, os uru-eu-wau-waus estão ainda mais ameaçados”, afirma o indigenista, em alusão à onda de invasões ao território indígena iniciada no ano passado, onde também vivem os isolados.

************

“Ele dedicou a vida toda à defesa dos povos indígenas. Ele começou bem jovem e nunca a abandonou, nunca saiu da área”, afirma o amigo. “Rieli é um autodidata, mal sabia escrever quando começou no indigenismo. Aprendeu tudo sozinho, era um trabalhador rural, um colono em Rondônia. Aprendeu informática, tudo com os amigos indigenistas.”

**********

A morte de Rieli ocorre em meio a tentativas do governo Bolsonaro de mudar a atual política da Funai de não contato com povos isolados —as frentes de proteção ambiental se limitam ao monitoramento e à proteção desses grupos.

**********

No início do ano, o governo nomeou o pastor evangélico Ricardo Lopes Dias para ser o coordenador-geral de Índios Isolados e de Recente Contato da Funai. Ele já atuou na evangelização no Vale do Javari (AM), a área, com mais povos isolados do mundo.

***********

Esse é o nosso estado, onde a covid 19 não dar trégua e tudo fica por isso mesmo, ninguém obedece ao protocolo da OMS, graças as estatísticas que aos finais de semana, apontam queda no número de novos contaminados e de mortes. Tudo ilusão.

**********

Agora pra completar, o MPF moveu ação para o estado tirar o nome dos colégios, que homenageiam presidente da república que exerceram o cargo no tempo do Golpe Militar. Assim, o governo tem que mudar o nome do Colégios Marechal Castelo Branco, em Porto Velho; Artur da Costa e Silva, em Alto Alegre dos Parecis; e Emílio Garrastazu Médici, em Presidente Médici. A ação veio após o não acatamento de recomendação expedida pelo MPF que solicitava as mesmas mudanças.

***********

A necessidade de modificação dos nomes é porque os ex-presidentes homenageados pelas escolas são apontados no relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV) como responsáveis por graves violações de direitos humanos cometidos durante a ditadura militar (1964/1985).

***********

Será que os municípios que têm nome de militares do tempo da revolução, também tenham que obedecer o relatório da CNV. Se isso acontecer até a criação do estado de Rondônia que foi ato de um governo militar daquele período pode ser anulado. Já pensou?

************

E agora um indigenista foi morto por quem ele protegia

***********

Enquanto isso nosso ARROZ foi todo vendido pra CHINA.

***********

LAMENTÁVEL!

Por: Sílvio Santos