Zekatraca revisita um pedaço da história do carnaval de Porto Velho na virada das décadas de 1960 para 1970

Zekatraca

PORTO VELHO – No carnaval de 1969, a escola Império do Samba Pobres do Caiari saiu da avenida, na visão da maioria dos que assistiram os desfiles daquele ano, como campeã. Realmente, a escola do bairro dos Categas se apresentou muito bonita e luxuosa, as fantasias nas cores amarelo e preto (uma réplica da roupa usada pelos integrantes do Conjunto The Clevers na capa do LP daquele ano), os integrantes da bateria usavam Smoking Summer e as demais alas, fantasias luxuosas.

Quando os envelopes com as notas dos jurados foram abertos, a Diplomatas foi consagrada campeã do carnaval daquele ano.

MARISE CASTIEL ASSUME O CAIARI

Acontece que a professora Marise Castiel foi uma das juradas no carnaval de 1969 e votou na vitória da Diplomatas do Samba.

No livro “Professora Marise Castiel e Rondônia: Educação, Cultura e Política” às páginas 332, a autora Sandra Castiel reproduz a foto de uma matéria publicada num jornal impresso da época, com o seguinte texto:

“Há 20 anos aproximadamente, a então diretora de educação do Território professora Marise Castiel saía do palácio Presidente Vargas… quando encontrou um grupo de jovens residentes no bairro do Caiari.  Eles – conta dona Marise, reclamaram que eu, mesmo morando no bairro, havia dado a vitória para a escola Diplomatas do Samba. Expliquei que a Diplomatas desfilara melhor, mais organizada e me coloquei a disposição para o caso de precisarem de uma ajuda… uma noite (quase na porta do novo carnaval), cheguei em casa e encontrei 20 me esperando. Foi assim que entrei para o carnaval de escola de samba de Porto Velho” conta Marise Castiel

Sinhá Moça e a Abolição

Assim que assumiu a escola, dona Marise reúne a diretoria e apresenta o enredo “Sinhá Moça e a Abolição”, baseado no livro “Sinhá Moça” de autoria de Maria Dezonne Pacheco Fernandes.

SAMBA ENREDO

Decidido o desfile de 1970, Marise Castiel convida até sua casa, o até então Mestre de Bateria da escola Silvio Santos e lhe entrega o livro de Maria Dezonne dizendo: “Leia este livro e me faça um samba enredo! ”  Silvio ponderou: Dona Marise eu não sei fazer samba enredo, aliás, nunca fiz e ela, o José Carlos Lobo me disse que você sabe compor samba, portanto, leia esse livro e faça o samba da escola para o carnaval de 1970.

Faltando poucos dias para o carnaval, Silvio após pressão da diretoria, apresentou o samba enredo cujo refrão, é “Abolição, abolição, Sinhá Moça e a Abolição”.  A Caiari pela primeira vez, ganhou um carnaval da Diplomatas do Samba.

PRIMEIRA DERROTA DAIPLOMATAS

A escola Os Diplomatas do Samba venceu todos os carnavais, entre os anos de 1959 até 1969. Em 1970, com a professora Marise Castiel comandando o carnaval da Pobres do Caiari, a vermelho e branco perdeu a hegemonia do carnaval de Porto Velho.

AS MANCADAS NO DESFILE DE 1970

Ao tomar conhecimento de que a rival Pobres do Caiari apresentaria Enredo no seu desfile de 1970, a diretoria da Diplomatas ficou apavorada, reuniu seus principais integrantes e colocou na mesa o problema. Alguém sugeriu que para enfrentar a rival Caiari, seria interessante que a escola apresentasse um enredo, explorando praticamente a mesma história e então, fixou decido que a escola apresentaria um enredo baseado na História do Brasil destacando alguns episódios como, o Grito do Ipiranga (Independência), a Assinatura da Lei Áurea que libertou os escravos, entre outras.

Como até então a escola não havia colocado enredo algum na avenida, também não contava com um compositor com especialidade em samba enredo. Foi aí que aconteceu o primeiro impasse, um dos diretores, sugeriu que se usasse um samba enredo de uma escola do Rio de Janeiro, até aí tudo bem, porém, esse diretor juntamente com outro integrante da agremiação resolveu assinar como autor do samba, que se não estou enganado, era da escola Salgueiro do Rio de Janeiro “História da Liberdade no Brasil” de Áureo Campagnac de Souza e Aurinho da Ilha.

O azar da Diplomatas foi que o Cabo Manuel o cara que comandava a distribuição de passagens da FAB em Porto Velho e que era salgueirense, foi ao Rio e trouxe um disco Compacto Simples, com o samba enredo do Salgueiro de 1967 e presenteou sua amiga Adelaide Maloney que desfilava como destaque na Pobres de Caiari que no dia do desfile, levou aquele disco para a avenida e antes do desfile começar, botou pra tocar para os jurados, provando que o samba da Diplomatas era o mesmo samba do Salgueiro, assim a Diplomatas desfilou sem concorrer ao quesito samba de enredo.

Outra mancada: Colocaram D. Pedro montado num cavalo (de verdade), fato proibido até os dias atuais e o pior, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea utilizando uma CANETA BIC.

Não deu outra, a Escola de Samba Pobres do Caiari, pela primeira vez, ganhou um título no carnaval de Porto Velho.

O desfile daquele ano foi na avenida Pinheiro Machado a primeira rua a receber asfalto em Porto Velho.

Por Sílvio M. Santos