Delegado regional da Polícia Civil em Vilhena conta alguns detalhes do crime que chocou o Cone Sul

VILHENA – Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta quinta-feira, 10, O delegado regional da Polícia Civil em Vilhena, Fábio Campos, contou detalhes do bárbaro assassinato do ex-cabelereiro e deu detalhes sobre a localização do corpo enterrado em uma cova rasa no quintal da casa do sobrinho que o assassinou. Sobre a cova, Jhon Rodrigues Nascimento, de 28 anos, sobrinho e executor da vítima, construiu uma calçada para erguer uma churrasqueiras que usaria para celebrar seu noivado com uma festa.

Fábio Campos, delegado regional da Polícia Civil em Vilhena, tenta montar um quebra-cabeça sobre o que aconteceu na casa na noite do assassinato

O ex-cabeleireiro Nilton César Santos do Nascimento, de 43 anos, foi assassinado a facadas pelo próprio sobrinho, Jhon Rodrigues do Nascimento, de 28 anos, que confessou o assassinato e alega legítima defesa.

De acordo com o delegado, a localização do corpo de seu através de uma denúncia anônima dando conta de que Nilton, que até então era dado como desaparecido, na verdade havia sido assassinado e enterrado no quintal da casa do próprio sobrinho.

Diante da nova linha de investigação, o caso foi repassado ainda na noite do dia 8 para a Delegacia de Homicídios, cujos investigadores se dirigiram logo no início da manhã de quarta-feira, 9, até a residência do suspeito, localizada na avenida Neide Maria Fantin Pires, no bairro Bodanese e interrogaram o jovem sobre as informações, fotografando o local, já para evitar a remoção do corpo, que segundo o denunciante, estaria lá.

Porém, o assassino negou a prática do crime, afirmando até mesmo que os policiais poderiam escavar o local que nada seria encontrado.

No entanto, já por volta das 17h, enquanto os policiais entravam com a documentação para a escavação do local, o rapaz compareceu na delegacia na companhia de um advogado e confessou que tinha matado e enterrado o tio no quintal de casa, concretando a cova e construindo uma churrasqueira em cima.

Ainda em seu depoimento, o suspeito alegou ter agido sozinho e em legítima defesa, relatando que o tio, após ingerir bebidas alcoólicas e fazer uso de drogas no local, havia ficado inconveniente, tendo ele até mesmo ligado para a Polícia Militar antes do crime, para que comparecesse ao local e retirasse Nilton de lá.

Porém, de acordo com o delegado, tais informações serão apuradas, uma vez que o jovem alega legítima defesa diante de uma discussão onde o tio teria se apossado de uma faca para feri-lo. No entanto, o primeiro golpe que Nilson recebeu do sobrinho, foi nas costas e outros três na garganta, o que por si só já descaracterizaria a alegação do acusado.

Por fim, o delegado Fábio Campos afirmou que apenas com a confissão do sobrinho, o caso não será encerrado, pois ainda há várias situações a serem investigadas. Jhon, que é réu primário, continua detido e à disposição da justiça.

Fonte: Folha do Sul

Leia Também:

Mata o tio a facadas, enterra o corpo no quintal e faz churrasco e festa de noivado sobre o corpo