Secretário nacional de justiça recebe autoridades do Governo de Rondônia /Foto Secom-RO

BRASÍLIA – O Governo de Rondônia quer dispor de um policial da Força Nacional para cada dois policiais militares estaduais. O pleito foi encaminhado pelo secretário de segurança, defesa e e cidadania, coronel Lioberto Caetano, ao secretário nacional de justiça, Gustavo de Castro Sampaio. O governo quer esse apoio para enfrentar a crise nacional nos presídios.

A ida do secretário a Brasília, terça-feira (24) atendeu ao chamado do governo federal para debater com secretários estaduais de segurança a formalização de parcerias. Segundo o secretário Caetano, o governo estadual quer  pelo menos 150 homens da Força Nacional “para cumprir o plano na parte tática operacional”.

O enfrentamento à crise nos sistemas prisionais requer dos estados medidas de atuação em diversos órgãos da administração direta e indireta.

Com a proposta de convergir as ações e dar celeridade à implementação de políticas para esta finalidade, o Estado de Rondônia criou uma equipe de trabalho denominada mesa integradora, cuja articulação  com a Secretaria Nacional de Justiça (SNJ) e a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) ocorreu com o objetivo de de se obter maior êxito em ações prisionais.

Além do secretário Caetano, participaram da reunião em Brasília o chefe da Casa Civil, Emerson Castro e secretária-executiva da Governadoria de Rondônia, Cira Moura. Caetano ressaltou ao secretário Gustavo de Castro que o sistema prisional também têm demandas com o Poder Judiciário, razão pela qual o governo de Rondônia articula com diversos setores estaduais e representantes de todos os poderes.

Segundo Emerson Castro,  Estado de Rondônia “já norteou sua organização na direção do plano nacional apresentado para os demais estados da região Norte”. Ele destacou, por exemplo, a proteção de fronteiras para evitar o crime transnacional. Para ele, foi importante apresentar ações executadas anteriormente a reunião no Palácio do Planalto no dia 17 de janeiro.

O secretário da Casa Civil assinalou; “Trata-se de uma plataforma eletrônica online, onde todos os atores saberão cada passo de cada órgão para mitigar essa crise, não apenas no sistema carcerário. Tenho certeza que em curto prazo Rondônia vai se apresentar ao País como modelo de gestão integrada eficiente no combate à violência e na ampliação da sensação da segurança pública.”

DA REDAÇÃO
Com Alex Nunes (Secom-RO em Brasília)