O combate ao corona em tempos de eleição

PORTO VELHO – Devido à eleição municipal em outubro deste ano, desde o dia 1º de janeiro os agentes públicos estão proibidos de praticarem uma série de condutas, previstas na Lei das Eleições, proibição que visa garantir “igualdade de oportunidades” entre os candidatos. Mas o legislador não previu o caso do coronavírus, e, a julgar pela declaração recente da ministra presidente do Tribunal Superior Eleitoral, dificilmente eles poderão ajudar sem correr o risco de um processo. Uma recomendação enviada pelo Ministério Público Eleitoral do Ceará aos promotores tem causado polêmica, mas o órgão esclarece que ações das prefeituras são permitidas em caso de calamidade pública ou emergência, desde que não tenham fins eleitorais. A situação provoca efeitos políticos entre os prefeitos, muitos dos quais pré-candidatos à reeleição.

CALMA NO ZAP

O recurso da internet vem crescendo, devido ao coronavírus, somado ao isolamento social, o que faz muita gente buscar suprir o tempo com contatos virtuais ou para o teletrabalho, a comunicação com parentes, amigos e colegas, a busca por informações e momentos de lazer no consumo de músicas e vídeos.

Com isso, é preciso aumentar também os cuidados para evitar acessos indevidos, entrada de vírus ou golpes aplicados pela Web. Para ajudar, Comitê Gestor da Internet lançou um guia com dicas para manter um uso seguro da internet. Mensagens diversas, incluindo boatos com curas milagrosas ou novidades, podem ser uma armadilha para implantar um vírus ou um código malicioso no computador ou smartphone do usuário (acesse aqui – https://internetsegura.br/coronavirus/).

SEBRAE

Especialmente neste momento mais delicado, em razão da pandemia provocada pelo coronavírus e as restrições sociais que a quarentena traz, o Sebrae em Rondônia promoveu uma série de reuniões no início de março, a fim de sensibilizar os gestores municipais para a importância da criação de condições para que os Empreendedores não enfrentem burocracias, trabalho que o Sebrae vem realizando  via orientação sobre o uso da Lei Geral 123/2006, a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (MPE) em Rondônia, legislação que prevê em seu arcabouço a simplificação de processos e um tratamento especial para as Micro e Pequenas Empresas no âmbito das Compras Públicas e iniciativas que favoreçam a um ambiente de negócios e oportunidades visando o desenvolvimento econômico local.

BEBIDA X ISOLAMENTO

Em São Paulo, o médico psiquiatra Ronaldo Laranjeira, professor titular da Escola Paulista de Medicina adverte: bebida excessiva e isolamento n]ao combinam. Explica: O consumo de bebidas alcoólicas, apesar de trazer um efeito imediato de relaxamento, pode causar um agravamento nos quadros de depressão e ansiedade e, ainda, no isolamento atual devido ao coronavírus Sars-CoV-2, exigir uma disciplina maior para manter a saúde mental em dia. Ainda conforme ele, a maioria das pesquisas recomendam até uma dose para as mulheres – 1 copo de cerveja, 1 taça de vinho, 1 dose de destilado – e até duas para os homens. Mesmo assim, não há como garantir nenhum efeito colateral no corpo.

CRIANÇAS X ISOLAMENTO

Tagarelas, adorando correr, brincar, procurar espaços para extravasar suas energias, milhões de crianças brasileiras estão enclausuradas por causa do corona. Para que os pequenos compreendam a situação de pandemia do novo coronavírus e não sejam afetados pelo medo, especialistas indicam conversa para orientar e sanar as dúvidas, além de estruturar uma rotina na quarentena. Para orientar sobre como enfrentar a situação o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), sugere num guia específico como abordar os pequenos, convidando-os a falar sobre o assunto, descobrindo quais dúvidas eles têm e o quanto já sabem sobre o tema. Conforme a publicação, é preciso deixá-los seguros para conversar com o adulto, ressaltando que é normal sentir medo. Caso a criança seja muito nova e não tenha ouvido falar sobre o coronavírus, reforce sobre boas práticas de higiene.