Rondônia livre de aftosa sem vacinação

PORTO VELHO – A segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa começa amanhã, terça-feira, para imunização de bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade, para a maioria dos estados brasileiros, conforme o Calendário Nacional de Vacinação 2020. Ao todo, espera-se imunizar cerca de 70 milhões de animais, até o final de novembro. Além da vacinação, o responsável pelo gado deve preencher de forma completa a declaração de vacinação e entregar online ou, quando não for possível, presencialmente nos postos designados pelo serviço veterinário estadual nos prazos estipulados, para que a declaração possa ser registrada e o produtor possa cumprir com os compromissos sanitários junto ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado.

AS VACINAS

As vacinas devem ser adquiridas nas revendas autorizadas e mantidas entre 2°C e 8°C, desde a aquisição até o momento da utilização – incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda. Devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia, para fazer a contenção adequada dos animais e a aplicação da vacina. Em Rondônia essa é uma etapa vencida, já que o estado agora tem certificado de livre de aftosa sem vacinação, resultado de mais de 20 anos de cuidados sanitários com o nosso rebanho.

DENGUE

Pelo visto, enquanto todos canhões se voltam contra o coronavírus, outro perigo está mais livre, leve e solto, o mosquito transmissor da dengue, chikungunia & associados: “Deve ser porque não vem tanto dinheiro”, resumiu ontem um funcionário municipal alegando que para o corona veio muito. Mas pelo visto não foi só em Rondônia. Aliás, a região de maior incidência no país, de doenças decorrentes do mosquito, foi o Centro-Oeste, que apresentou a maior taxa com 1.159 diagnósticos por 100 mil habitantes, seguida das regiões Sul (929,2 casos/100 mil habitantes); Sudeste (339,1 casos/100 mil habitantes); Nordeste (240,7 casos/100 mil habitantes) e Norte (106,7 casos/100 mil habitantes). Ficamos em último lugar (até que enfim uma “lanterna boa”).

MAIORAIS

Acre, Bahia, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal foram os de maior incidência.

DESEMPREGO

Os números do desemprego no país, conforme analistas. No entendimento dos analistas, puxa um ato em caráter de emergência para que haja definição das políticas sociais e econômicas, a serem implementadas pelo governo no pós-pandemia. Para ele, é preciso uma desoneração maior na folha de pagamento das empresas, muitas delas, conforme os especialistas, em dificuldades para cumprir suas obrigações sociais.

E QUEM PRODUZ?

Interessante que esses mesmos analistas não cobram também uma desoneração no valor do pagamento do I R, cujo valor faz com que quem paga a conta, a classe média, seja a maior sacrificada. Já a classe média, que garante o faturamento das empresas, não tem a menor atenção desses analistas. Quer dizer: quem produz riqueza fica fora de tudo que é benefício.

MEGA A 22 MILHÕES

Depois da Caixa anunciar que uma aposta online levou o prêmio de 53 milhões do concurso 2314, de sábado – paciência, não foi ninguém daqui do site expressaorondonia.com.br – o próximo sorteio, do concurso da mega, número 2315, quarta-feira, até que terá um prêmio bom: pelo fato da final ser o número cinco, há umas composições que permitam não ser como outros concursos em que o inicial fica entre 2 e 3 milhões. Nesta quarta vai para 22 milhões de reais.

APOSTAS

A menor aposta, com palpite único de seis dezenas, custa 4,50, mas se você quer arriscar, marque 15 números desembolse 22 mil reais.

Por: JL Albuquerque, com informações da AgênciaBrasil