Pai de uma das meninas abusada estava transtornado e com uma faca a mão, tentando encontrar o religioso

JARU – Na madrugada desta segunda-feira, 26, a Polícia Militar em Jaru foi acionada para conter um homem que estava na rua, descontrolado e com faca na mão. Ao chegar ao local, a guarnição de serviço foi até o homem entender a situação, e ele afirmou estar daquele jeito porque sua filha de 13 anos lhe disse ter sido estuprada pelo pastor de uma igreja. O homem ficou transtornado e teria ido até o local para fazer justiça com as próprias mãos.

Diante do relato do pai da adolescente, a PM foi até a residência dele juntamente com uma policial feminina para constatar o possível estupro. Após a policial ter conversado com a menor, ela confirmou que o pastor havia mantido relações sexuais com ela, e que, usando do seu poder de persuasão, a induziu a fazer sexo, dizendo que se ela não obedecesse, o “chefão” iria levá-la para o inferno.

À PM, a adolescente confirmou que estes abusos eram frequentes até que resolveu falar para seus pais. Ela também disse que mantinha relações com outro rapaz, que seria seu vizinho, porém por vontade própria dela e seus pais já sabiam disto e por diversas vezes autorizavam que ambos dormissem juntos.

Ao fazerem a busca pelo pastor, o religioso teria fugido de sua residência, deixando para trás as suas duas filhas pequenas. Ao procurar na vizinhança do pastor por algum familiar, um homem e apresentou a PM e disse que estava responsável pelas duas meninas filha do pastor.

Após as anotações inicias, foi registrado um boletim de ocorrência e encaminhado para UNISP para que fosse tomada as providências cabíveis.

     Mais uma menor denuncia pastor

Também nesta segunda-feira, encorajada pela denúncia contra o pastor, outra adolescente de 13 anos, resolveu revelar a mãe que também foi estuprada pelo mesmo pastor e  passou pelo mesmo constrangimento que a outra adolescente.

Após os relatos da filha, a mãe da garota se dirigiu imediatamente até a Unisp em Jaru e prestou queixa contra o acusado.

A segunda vítima, contou à polícia que o mesmo pastor também manteve relações sexuais com ela, em três ocasiões diferentes. Os estupros eram sempre antecedidos por ameaças, quando o acusado dizia que se ela não fizesse sexo com ele o “Chefão” iria sequestrar sua irmã e matar sua mãe.

A vítima e sua mãe, relataram que frequentavam a Igreja “Tenda dos Milagres” localizada no setor Oito, e o pastor após os cultos, sempre pedia para a mãe deixar sua filha dormir na casa dele para fazer companhia a suas duas filhas.

A vítima relatou que o acusado esperava suas filhas dormir e depois a levava para seu quarto e sob ameaças, lhe abusava sexualmente.

As denunciantes também disseram que outras meninas tinham por costume dormir na casa do acusado.

O suspeito ainda não foi localizado pela polícia. Depois da primeira denúncia, ele deixou suas filhas aos cuidados de um conhecido e se evadiu.

Caso haja mais vítimas, a polícia pede que elas ou seus responsáveis se desloque a UNISP e denunciem o crime as autoridades, para que os fatos sejam apurados.

Fonte: Jaru on Line