A prisão temporária do acusado venceria neste sábado e, caso não fosse convertida em preventiva, ele teria de ser solta, o que representa perigo à sociedade, segundo o juiz

PORTO VELHO – O doido da pedrada, identificado como Jairo Sousa da Silva, que atacou pelo menos duas pessoas provocando ferimentos graves vai continuar preso, decide o juiz Luís Antônio Sanada Rocha, atendendo a pedido do delegado David Wisney Bezerra Guedes, da terceira Delegacia de Polícia. A prisão temporária foi convertida em preventiva e o morador de rua Jairo Sousa, de 29 anos não será colocado em liberdade. Ele é acusado de tentativa de homicídio contra uma acadêmica de medicina no último dia 28 de agosto no cruzamento das Avenidas Jorge Teixeira e 7 de Setembro, na capital.

Jairo foi preso em dois de setembro e teve decretado mandado de prisão temporária de cinco dias, prorrogada por mais cinco e, finalmente agora convertida em prisão preventiva.

A pedra que foi atirada contra uma estudante de medicina no cruzamento da Jorge Teixeira com a Sete de Setembro; ela teve afundamento do crânio

Caso não fosse adotada essa decisão judicial, Jairo teria de ser solta, já que havia vencido o prazo da prisão temporária e, então, ele teria que ser solto neste sábado para responder em liberdade o processo.

Porém, diante de todas as provas testemunhais e de imagens de câmeras de monitoramento obtidas pelos investigadores do 3° DP, o juiz manteve o criminoso preso.

“Há uma peculiaridade no caso em tela, o fato de o acusado praticar a violência de forma aleatória, não tendo, pois, motivação aparente colocando em risco a

integridade física das pessoas que circulam pela cidade. Se não podemos afirmar com certeza que tal circunstância cause abalo à ordem pública -pela amplitude

desse conceito, pode-se afirmar que o representado posto em liberdade poderá novamente cometer tais crimes” disse o juiz ao decretar a prisão preventiva do acusado.

Com informações do www.rondoniaovivo.com