Na Gladiators Academia as atividades retomam, com todos os cuidados necessários de higienização e distanciamento

PORTO VELHO – Com a liberação para o retorno às atividades nas academias de ginástica, os alunos da Gladiators Academia, sob o comando do professor José Nunes Lima Neto, estão aos poucos retornando para os treinos. Localizada à rua Mosteiro, 2545, bairro Flodoaldo Fontes Pinto, está funcionando há dois meses, e conta com 80 alunos.

A academia se adaptou à nova realidade trazida pelo Covid-19 e, portanto, segue as normas de segurança. O aluno deve usar máscara, tem o tapete sanitizante com produtos indicados pela Anvisa, para passar e limpar os tênis e os pés, porque arte marcial é no tatame. Passar álcool gel nas mãos, cada um com sua toalha, garrafa com água, e com distanciamento de dois metros de uma dupla para a outra.

A liberação das atividades, porém, não significou o retorno de todos frequentadores às academias. Além da restrição imposta pelo decreto, há também aqueles que estão nos grupos de risco, que estão impedidos de utilizar o serviço, e quem simplesmente entende que ainda não é hora de retomar sua rotina de treinos por receio de pegar ou transmitir a doença.

De acordo com Nunes, é um momento diferente, em que é preciso se reinventar para manter os alunos, o faturamento e o equilíbrio entre o fator econômico e a saúde no meio da pandemia. Por isso, as medidas de higienização são constantes, como o uso obrigatório de máscaras e toalhas para quem está se exercitando.

O objetivo da Gladiators Academia, garante o professor Nunes, cujas especialidades são o Boxe e o Kickboxing, é oferecer qualidade de vida para os alunos. Nunes trata com seriedade e se dedica todos os dias. As novas instalações à rua com o final do decreto e o surgimento da Fase 3, com a liberação das academias, tomou a decisão de abrir a sede própria da Gladiators.

Quanto a valores das mensalidades, Nunes explica que são diferenciados. O valor de investimento para o aluno que está começando nas turmas de boxe e Kickboxing, 150 reais, treinando três vezes por semana, sendo segundas, quartas e sextas e sábados alternados. Temos também o personal Fight, duas vezes por semana, com mensalidade a 250 reais, três por semana sai a 320 reais e todos os dias, 350.

Como em quase todos os setores, as academias também sofrem forte pressão financeira com o período em que estiveram paradas e com a redução de movimento. A maioria dos alunos está acreditando que vai passar e vai poder usufruir seu treinamento, sem perdas.

Nunes, oriundo da academia Athenas, onde treinou por dez anos e saiu para montar sua própria academia, relata que o equilíbrio entre saúde e economia é também uma constante na vida de quem administra uma academia. No entanto, com a expectativa de que o momento vai passar, o empresário faz o esforço para que, quem quer usar o exercício como forma de alívio mental em meio ao distanciamento social, possa fazer dentro sem risco de contaminação.

“Afinal é isso que os lutadores fazem. Lutam para vencer”, finaliza Nunes.