A prisão da dupla aconteceu por volta das 18h desta terça-feira, 12, na Rua Altemar Dutra, bairro JK, em Porto Velho

PORTO VELHO – Quem cultiva a esperteza como estilo de vida precisa saber que um dia a esperteza cresce, vira bicho e devera seus donos. Essa metáfora serve para ilustrar o caso dos cunhados Pablo e Ademilson, que montaram uma ‘boca de  fumo’ com sistema de câmeras para monitorar a movimentação de sua clientela. O cliente tocava o interfone e era recebido por um atendente que entregavam o entorpecente e recolhia o dinheiro.

Tudo certo e bem seguro, avaliaram os donos do negócio, que ia de vento em popa até o dia em que os agentes do Departamento de Narcóticos da Polícia Civil (Denarc) resolveram fazer uma visita.

A prisão da dupla aconteceu por volta das 18h desta terça-feira, 12, na Rua Altemar Dutra, bairro JK, em Porto Velho.

A comercialização de entorpecente acontecia de forma frenética em=m plena luz do dia e com segurança, já que antes de ser aberto o portão, ‘clientes’ eram visualizados pelas câmeras de monitoramento.

Após algum tempo de campana, observando a movimentação, os agentes do Denarc fizeram a abordagem em Pablo, que saindo do imóvel em um carro onde foi encontrado uma quantia de dinheiro trocado escondido debaixo do tapete do carro. Ao adentrarem a casa, foi encontrado uma balança de precisão e outros apetrechos para embalagem e comercialização de droga.

Enquanto isso, Edmilson quebrou o telhado e tentou fugir pelos fundos, mas foi contido pelos policiais. Com Edmilson, foi encontrado porções de maconha.

Os polícias viram Edmilson correu para fundo do quintal e tentou se desfazer da droga, arremessando uma meia para o telhado da casa vizinha. Ao recuperarem a meia, os policiais viram que dentro da meia tinha porções de cocaína

No interrogatório inicial para coleta de informações, Edmilson informou que a meia com cocaína era de Pablo.

Um dos presos já cumpria sentença pagando pena em prestação de serviço comunitário em um colégio aqui de Porto Velho.

Os envolvidos foram presos e entregues à autoridade policial para medidas cabíveis.

Fonte: Assessoria

Print Friendly, PDF & Email