A sugestão é criar um "Pronampe tecnológico” para atender filhos de beneficiários do Bolsa Família que estão no CadÚnico do Governo Federal

BRASÍLIA – Durante audiência pública desta terça-feira (01), na comissão mista do Congresso Nacional que que analisa os gastos do governo relacionados à pandemia, o senador Confúcio Moura (MDB-RO), disse ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que é necessário buscar uma alternativa para atender estudantes, filhos de famílias pobres, para que eles possam ter um computador, tablet, celular ou um chip de internet, para acompanhar as aulas ano que vem.

Com o fechamento das escolas e com as aulas remotas criadas experimentalmente por cada estado da federação, Confúcio Moura afirmou que um percentual elevado dos alunos não tem como acompanhar as aulas remotas. Para ele, isso estabelece dentro de uma escola pública a desigualdade de oportunidades onde uns conseguem acessar a aula remota, e um percentual significativo não.

Segundo o parlamentar, após a pandemia, não haverá mais aulas habituais. Ele argumenta que serão aulas híbridas, entre o modelo tradicional e o modelo a distância. O senador assegurou que há vários projetos em andamento no Senado e na Câmara, e que é preciso discutir e consolidar com a equipe econômica do governo. “Quem sabe criamos, entre aspas, um “Pronampe tecnológico” para atendimento a essas crianças, filhas de beneficiários do Bolsa Família, que estão no CadÚnico do Governo Federal e dos Estados?’, indagou.

Paulo Guedes disse que as observações de Confúcio sobre educação e tecnologia são perfeitas, e foi além, falou que a riqueza das nações, a produtividade das empresas e a perspectiva de vida, inclusive, e não só a produtividade física e a econômica, mas a visão de mundo dos indivíduos depende de educação. “A ligação de tecnologia com educação é decisiva”.

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação