Deputado Nilton Capixaba

PORTO VELHO – O deputado Nilton Capixaba (PTB-RO) superou os gastos de todos seus pares no uso da verba indenizatória de gabinete na Câmara dos Deputados: R$ 519.796,63. Só em junho do ano passado ele consumiu R$ 74.079,28. E de janeiro a março – que está no início – deste ano já consumiu R$ 108.771,55. 

O deputado Marcos Rogério (PDT-RO) gastou R$ 479.853,65, de janeiro a dezembro do ano passado e no biênio janeiro-fevereiro de 2017 já havia consumido R$ 16.934,94.

Totalizando R$ 52.642,80, de janeiro a março deste ano, Lúcio Mosquini (PMDB-RO) ultrapassava o próprio limite mensal estipulado em R$ 43.672,49 por ato da Mesa da Câmara. O gabinete de Mosquini custou R$ 393.158,34 em 2016. Ele faltou 15 vezes a sessões plenárias, sem justificativas.

Expressão Rondônia obteve informações no site da Câmara dos Deputados. Os limites mensais para gastos da bancada federal do Estado de Rondônia totalizam R$ 43.672,49 por parlamentar, no que importa em R$ 4,19 milhões por ano o funcionamento dos oito gabinetes.

Os principais benefícios de um deputado federal brasileiro somavam R$ 168,6 mil por mês em 2016. Juntos, os 513 custam, em média, R$ 86 milhões ao contribuinte todo mês. Ou R$ 1 bilhão naquele ano.

Leia matéria de ontem (2/3/2017).

Deputado Marcos Rogério

Nas comissões, Marcos Rogério é assíduo: de 178 reuniões, marcou presença em 163 (91,6%) e deixou de justificar ausência em sete (3,9%). De 94 sessões plenárias, ele compareceu a 85 deliberativas (90,4%), faltou a nove delas (9,6%) e justificou ausências.

O deputado Lúcio Mosquini compareceu a 60 das 82 reuniões, justificou sete vezes o não comparecimento, porém, deixou de fazê-lo 15 vezes (18,3%). Essa prática denomina-se no âmbito parlamentar: gazeteiro. O mesmo termo usado antigamente em colégios, quando o aluno faltava à aula sem dar satisfações à secretaria ou à direção da escola.

Deputado Lúcio Mosquini

De 94 sessões plenárias, Mosquini esteve presente em 76 deliberativas (80,9%) e faltou a 13 (13,8%).

O deputado Nilton Balbino Capixaba compareceu a 85 das sessões e justificou faltas em 9 (9,6%) deliberativas, entretanto, é o mais faltoso às reuniões de comissões parlamentares: das 49, não esteve presente em 25 (51,0%), nem justificou as razões. Outro gazeteiro.

Este é o quadro de frequência desses três parlamentares aos trabalhos parlamentares, entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2016:

LÚCIO MOSQUINI NAS COMISSÕES

Total de reuniões no período de exercício do mandato 82 100,0%
Total de presença às reuniões 60 73,2%
Total de ausências justificadas 7 8,5%
Total de Escusas 0 0,0%
Total de ausências não justificadas 15 18,3%

NILTON CAPIXABA NAS COMISSÕES

Total de reuniões no período de exercício do mandato 49 100,0%
Total de presença às reuniões 24 49,0%
Total de ausências justificadas 0 0,0%
Total de Escusas 0 0,0%
Total de ausências não justificadas 25 51,0%

MARCOS ROGÉRIO NAS COMISSÕES

Total de reuniões no período de exercício do mandato 178 100,0%
Total de presença às reuniões 163 91,6%
Total de ausências justificadas 8 4,5%
Total de Escusas 0 0,0%
Total de ausências não justificadas 7 3,9%

 

NOTA
Este levantamento foi fechado às 17h de três de março de 2017. Saiba quanto custam as atividades dos deputados Expedito Netto, Lindomar Garçon e Mariana Carvalho. Clique