Semana passada um advogado muito conhecido na área eleitoral fez uma previsão, dizendo que além dos votos nulos e em branco, a disputa pela prefeitura deve ter forte abstenção

PORTO VELHO – Uma eleição que só vai acontecer porque o Tribunal Superior Eleitoral decidiu manter o pleito, quando segmentos os mais diversos apelavam para o bom senso e, pelo menos, transferir para 2021, alimentada por uma campanha que não empolga e, na qual,  candidatos a prefeito e vereadores se repetem nos horários eleitorais, ameaça fazer com que a abstenção bata todos os recordes na capital rondoniense, com 330 mil pessoas estão aptas ao voto.

Logo após o primeiro decreto do “fecha tudo”, ainda em março, os primeiros questionamentos apareceram: “E a eleição deste ano, será que vão manter?”; “Seria melhor fazer ano que vem porque até lá essa “porcaria” já deve ter passado”. “O melhor é juntar tudo e fazer só uma eleição, valendo de vereador a presidente em 2022”, foram frases muito ouvidas, mas o Tribunal, em Brasília, preferiu ignorar todos os apelos e adiou o pleito: para um mês depois, daqui a menos de duas semanas.

Ainda semana passada um advogado muito conhecido na área eleitoral fez uma previsão, dizendo que além dos votos nulos e em branco, a disputa pela prefeitura deve ter forte aumento de não comparecimento, por causa do covid. Só para lembrar, em 2016 passou de 18% o número dos que não foram às respectivas seções eleitorais. ”Eu estimo que este ano só este contingente vai para 25%”, disse o advogado.

Paralelo com isso muita gente vem reclamando do chamado “horário eleitoral gratuito”, que quem entende o assunto costuma dizer que só é “gratuito” para candidatos e partidos porque a conta é paga com dinheiro de tributos, onde repetições de velhas promessas, vídeos mal feitos e até denúncia  de que o IPAM estava caindo com funcionários dentro, quando o Instituto já está funcionando há tempos em outro prédio e um novo, próprio, já está sendo providenciado, acabam irritando o eleitor.

“Os mesmos discursos”; “Tem candidato a prefeito dizendo que vai gerar empregos, mas foi oito anos prefeito de Candeias e moradores tinham empregos em Porto Velho”, disseram alguns; “Tem candidato que precisa aprender a falar”, reclamaram outros, enquanto o bombardeio também segue em direção aos candidatos a vereador.

Dentre eleitores, ainda mais com as notícias que a pandemia pode retornar, como vem acontecendo em cidades onde o “abre tudo” fez recrudescer, há gente que pensa em pagar a multa do que sair de casa e se arriscar em pegar o covid. “Tenho 83 anos, estou isolado desde março, sempre fiz questão de votar, mas dessa vez não vou, até porque não sou obrigado, se fosse eu pagava a multa”, disse um aposentado.

Segundo o TSE em três cidades brasileiras será feito um teste para eleitores experimentarem votar via internet – computador, celular etc – mas sem valer, só para ver como fica. A proposta, apesar de muita gente dizer que pode causar um enxame de corrupção, e até citarem, o que sempre é contestado pela Justiça Eleitoral, as denúncias de manipulação das urnas eletrônicas, como exemplo do que pode acontecer no novo sistema, há quem fale que seria bom.

“Eu sair de casa para votar, me expor num ambiente com muita gente, e não acredito que possa haver realmente segurança para evitar contaminação, esse sistema aí seria bom. Mas do jeito que estamos, eu não vou me expor. Pago a multa”, disse Juarez dos Santos, 40 anos.