Em discurso na sessão ordinária de abertura dos trabalhos na 10 ª Legislatura, o deputado estadual Anderson Pereira (Pros) disse que tem buscado intermediar um acordo entre o Executivo e os servidores do sistema penitenciário, para garantir que direitos dos funcionários sejam respeitados e cumpridos, conforme acordo judicial.

Foto: Marcos Figueira

“Há nove dias do cumprimento judicial do acordo entre o Governo e os servidores do sistema penitenciário de Rondônia, que diga-se de passagem, tem os piores salários do Brasil, estamos seguindo na luta e a minha preocupação é que o judiciário buscou já duas audiências para solucionar o impasse, sem sucesso”, destacou.

Segundo o parlamentar, “eu tentei, durante o recesso parlamentar, construir um diálogo entre o Executivo e a categoria, para que a gente pudesse ter uma solução, com a Polícia Militar voltando a atuar no policiamento ostensivo, deixando a segurança dos presídios com os agentes penitenciários, mas não houve avanços, infelizmente”.

Ele criticou os gastos com a operação de intervenção nos presídios. “O custo dessa operação da PM nos presídios é estimado em R$ 1 milhão por mês. É um gasto elevado e desnecessário. Retiram policiais militares do seu trabalho, para cuidar de presos, mas somente durante o dia, pois à noite, quem faz a guarda são os agentes penitenciários”.

Anderson disse também que o agente penitenciário ‘cumpre’ cárcere junto com os condenados, pela natureza de sua função. “É um sistema que não funciona, que não recupera e que não cuida e nem respeita o trabalhador. Mas, vamos seguir lutando, pois esse é o nosso papel, o nosso compromisso”. Ao final, ele saudou aos colegas deputados, aos servidores desta Casa, e desejou sucesso a todos.