Entre os dias 19 e 20 de setembro de 2019, a partir das 19 horas, o auditório da Faculdade Uniron – Unidade Porto Velho Shopping será o palco do II Seminário de Jornalismo e Ciência na Amazônia. Para esta edição, o evento traz como temática “A pesquisa no foco da notícia”. Palestras e composição de mesa-redonda para debater importantes temas que envolvem a mídia e a sociedade amazônica têm como propósito a contribuição para a formação do conhecimento de jornalistas, profissionais ligados ao Direito e Saúde, publicitários, pesquisadores, acadêmicos e professores universitários.

A eliminação do mosquito Aedes aegypt – o mesmo que transmite a dengue, chinkungunya, zika e a febre amarela – tem se tornado um desafio para Rondônia, por se tratar de uma região vulnerável à proliferação do vetor. A forma como a imprensa tem divulgado essas doenças tropicais será tratada pela coordenadora de Comunicação Social do Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz, Raquel Aguiar. Jornalista e Doutora em Informação e Comunicação em Saúde, Raquel vai abrir o seminário com o tema: “Comunicar Zika: resultados de pesquisa e desafios da prática profissional”.

No segundo dia do Seminário, com a temática “Jornalismo e Direito: diálogos que promovem a cidadania”, o Juiz Federal Dimis da Costa Braga vai tratar sobre a relação entre a linguagem jurídica e o texto jornalístico, como ferramentas que promovem a cidadania.

E por fim, a mesa redonda composta pelos pesquisadores, Cristiane Paião, Simone Noberto, Elisângela Ferreira e Alexandre Dourado vai tratar sobre a importância da difusão da ciência na Amazônia. “O jornalista busca, através da produção de conteúdo, narrar os acontecimentos do dia a dia, mas falta, na maioria das vezes, o entendimento de que esses grupos são formados por sujeitos da narrativa histórica amazônica, o que requer mais conhecimento, cuidado e clareza na hora de narrar histórias e acontecimentos da vida cotidiana”, afirma um dos idealizadores do Seminário, o jornalista Alexandre Dourado.

Para o coordenador do evento, José Gadelha da Silva Júnior, essa será uma oportunidade para os profissionais da imprensa que tenham interesse em ingressar na pesquisa científica estabelecer os primeiros contatos com a academia, além de criar percepções mais aprofundadas a respeito dos fenômenos naturais e sociais que ocorrem na Amazônia. “Poucos jornalistas tiveram esse propósito: a iniciativa de compreender estes sujeitos da construção do saber amazônico. A academia com seus artigos científicos, dissertações, teses, tem buscado com intensa dedicação à pesquisa nos mostrar o que está mudando na conjuntura social e histórica, sobretudo, no Estado de Rondônia”, observa o comunicador social.

Ao final do encontro será lançado o livro “A desterritorialização da comunidade ribeirinha de São Domingos em Porto Velho/RO: Uma análise dos discursos e suas subjetividades”. A obra é de autoria do jornalista José Gadelha da Silva Júnior e reúne resultados de pesquisa realizada no âmbito da construção da Usina Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no Rio Madeira, na capital rondoniense. A publicação do livro é resultado de uma dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal de Rondônia UNIR, contemplada no Prêmio de Literatura Rondoniense – 2017, Edital nº 02, Categoria Literatura Acadêmica, Governo do Estado de Rondônia/Superintendência da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer – SEJUCEL.

As inscrições para o II Seminário de Jornalismo e Ciência na Amazônia estão abertas e se estendem até o dia 31 de agosto.

O investimento é um brinquedo novo e/ou seminovo que deverá ser entregue no momento do credenciamento.

Os brinquedos serão doados às crianças do Baixo Madeira e fazem parte da responsabilidade social do evento, mediante o lançamento da campanha Brincar Vira Notícia!

Os interessados podem se inscrever no endereço eletrônico: https://www.even3.com.br/jornalismoamazonia2/ ou entrar em contato pelo e-mail: amazoniajornalismo@gmail.com