LA PAZ – Damián Ayma Zepita nasceu em 1921, na cidade de Toledo, a quase 50 quilômetros do departamento de Oruro, na Bolívia. Até os 15 anos não sabia uma palavra de castelhano, era totalmente aimará. Teve uma multifacetada vida de trabalho. Desdobrou-se como agricultor, vaqueiro, assistente de perfurador na mina e, em sua fase mais importante, como fotógrafo, etnógrafo, documentarista e retratista.

Seu filho, Julio César Ayma, diz que o pai era “bastante inquieto”, sempre com a câmera pendurada no pescoço. Ele assemelha o pai à figura do Quixote, herói de Cervantes, por seus ideais e pela atração desinteressada em capturar com suas lentes a vida rural na região andina da Bolívia durante quase 50 anos.

Leia matéria completa 
EL PAÍS Brasil