BRASÍLIA –  A Polícia Federal concluiu que há indícios de que o presidente Michel Temer e os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Eliseu Padilha (Casa Civil) cometeram crime de corrupção. A informação consta do relatório final do inquérito sobre o chamado “quadrilhão” do PMDB na Câmara, que será, possivelmente, uma das bases de nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente. As novas acusações devem alimentar a crise política no governo.

A Polícia Federal concluiu que há indícios de que o presidente Michel Temer e os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Eliseu Padilha (Casa Civil) cometeram crime de corrupção. O relatório indicou que o presidente Michel Temer recebeu R$ 31,5 milhões de vantagens por participar da organização criminosa formada por políticos, que atuou na Petrobrás e na administração federal.

As conclusões da polícia, às quais O Estado de S. Paulo teve acesso, foram encaminhadas hoje ao Supremo Tribunal Federal. O relatório da investigação, que teve início em 2015, era aguardado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para finalizar a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Foto: Dida Sampaio/O Estado de S. Paulo

O relatório final será, possivelmente, uma das bases de nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente. As novas acusações devem alimentar a crise política no governo. 

A PF também apontou evidências de envolvimento do ex-ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e dos ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha no suposto esquema. Os três estão atualmente presos por crimes investigados nas operações Lava Jato e Cui Bono?.

As investigações apontaram que os integrantes da cúpula do PMDB, entre eles Temer, participavam de uma organização criminosa voltada para obter, direta e indiretamente, propinas em órgãos da administração pública federal.

A PF sustenta que, além de corrupção ativa e passiva, a engrenagem criminosa envolvia lavagem de dinheiro, fraude a licitações públicas, evasão de divisas, entre outros delitos, cujas penas são superiores a quatro anos de prisão.

O relatório sobre o caso foi enviado  ao Supremo Tribunal Federal (STF). Caberá à Procuradoria-Geral da República (PGR) decidir se denuncia Temer e seus ministros com base nas conclusões do inquérito.

Rodrigo Janot deve apresentar até a sexta-feira, último dia de seu mandato, sua segunda denúncia contra Temer. Uma das possibilidades é de que os crimes atribuídos ao “quadrilhão” do PMDB da Câmara já constem peça de acusação, juntamente com delitos apontados nas delações do corretor Lúcio Bolonha Funaro e de colaboradores da JBS.

A investigação da PF é fruto do principal inquérito da Lava Jato, que foi desmembrado em quatro. Três investigações já foram concluídas e embasaram as denúncias contra do “quadrilhões” do PT, do PP e do PMDB no Senado. A última, agora relatada, é a que envolve Temer e seus ministros.

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, informa que só irá se pronunciar quando e se houver acusação formal contra ele que mereça resposta.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, disse que a Polícia Federal não agiu de forma democrática ao “vazar” as conclusões do inquérito que investigou o “quadrilhão” do PMDB na Câmara, sem dar conhecimento aos citados no relatório.

“Jamais participei de qualquer grupo para a prática de ilícito. Repudio a suspeita”, reagiu o ministro. Para complementar: “Responderei de forma conclusiva quando tiver acesso ao relatório do inquérito. Lamento que tenha que falar sobre o que ainda não conheço. Isto não é democrático”.


SAIBA MAIS

Cúpula do PMDB denunciada
Perto do adeus, a angústia de Janot e dos políticos