BRASÍLIA – Entra em vigor nesta segunda-feira um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro em março que dispensa — de forma unilateral — a necessidade de visto para entrada de cidadãos de Estados Unidos, Canadá, Japão e Austráliaque desejam vir ao Brasil para fins de turismo, negócios, artes e esportes. O presidente também tem até hoje para sancionar uma Medida Provisória aprovada pelo Congresso que permite a participação de até 100% de capital estrangeiros em companhias aéreas.

Bolsonaro disse a jornalistas na última sexta-feira, 14, que avalia sancionar a medida, alterada no Congresso para proibir a cobrança por bagagens de até 23 quilos em voos domésticos. O presidente estuda liberar a cobrança para companhias low cost, que cobram menos pela passagem, como Norwegian Air (Noruega), Flybondi (Argentina) e Sky Airline (Chile), recentemente autorizadas a atuar no Brasil pela Agencia Nacional de Aviacao Civil.

Já o decreto pela isenção de vistos, assinado no dia 16 de março, antes de viagem oficial de Bolsonaro aos Estados Unidos, é uma tentativa do governo brasileiro de atrair turistas e se aproximar dos quatro países. De acordo com o Ministério do Turismo, a decisão não prejudica o “princípio da reciprocidade”, mesmo que as nações não liberem o visto para brasileiros, já que a medida deve incentivar a geração de emprego e renda no Brasil.

De acordo com o ministro Marcelo Álvaro Antônio, a decisão já deu resultados para o setor. “Temos aumento significativo de reserva de passagens desses quatro países para o Brasil. Só para dezembro temos mais de 250% de aumento de turistas, salvo engano, do Japão e da Austrália” afirmou o ministro no final de maio. Segundo levantamento da agência Amadeus Brasil, as reservas de canadenses para voos em dezembro subiram 257% em relação ao ano anterior.