PORTO VELHO – A Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Rondônia – Sinjur vem a público, diante de texto publicado neste veículo reiterar a integridade da gestão e dos atos tomados em consonância e respaldo da categoria.

Por primeiro, esta Diretoria assim como aqueles que fizerem uma leitura rápida de nosso estatuto, desconhece a existência de um ex ou atual presidente do Conselho Fiscal, posto que este cargo nunca existiu.  (veja o estatuto – art. 65, caput)

Reitera que sempre manteve nas instalações, contas e demais gastos realizados estão à disposição de todos os filiados, assim como, desde o ano passado na Página da Transparência do Sinjur. Tal documentação foi disponibilizada em formato digital, por e-mail para os três membros do Conselho Fiscal, contudo, apenas um alegou não ter acessado aos dados. As notas fiscais e demais documentos estiverem à disposição dos mesmos na sede da entidade, durante o horário comercial, em que pese a Administração haver autorizado via SEI a dispensa a esses servidores (conselheiros) para realizar a verificação das contas, para emissão de parecer a ser apreciado pela categoria em assembleia ordinária.

Como dito acima, mas vale o reforço para evitar a desinformação, os conselheiros não aprovam ou reprovam contas, apenas emitem parecer para ser deliberado pelos trabalhadores em assembleia, fato omitido pela fonte do texto supracitado. Em tempo, a categoria aprovou, com 268 votos favoráveis e 37 contrários, as contas desta gestão, exercício 2018, nos termos do Estatuto.

Com relação a suposto desgaste de imagem alegado, esta Diretoria reitera que jamais acusou ou tomou qualquer partido que fosse nesse sentido, de tentar macular a imagem de quem quer fosse, muito pelo contrário, tem sofrido com diversas denúncias no MPT, TRT, OAB, Prefeitura, entre outros, todos já arquivados, pois não têm fundamento. A cada nova derrota, a reação é fazer outra denúncia e buscar a divulgação truncada com fim de fazer crer que o denuncismo será interpretado como juízo de condenação. Desta forma, com a marcha dos fatos, aqueles que acusam, vão tendo, dia a pós a dia, as respostas das instituição sérias e compromissadas que são chamadas a investigar acusações sem fundamento e lastro probatório.

Tanto este veículo quanto todos os filiados e interessados estão convidados a conhecer, na sede sindical, a imensidão de provas em contrário das alegações de “obscuridade” e “falta de acesso”, em vídeo, áudios e documentos. A Diretoria esclarece a toda a população que a imensa maioria dos trabalhadores do Judiciário são pessoas abnegadas, sérias e compromissadas com a sociedade e o bem comum, o que lhe motiva imenso orgulha pela representação sindical. Mandato outorgado pela maioria, em eleições livres e democráticas, que, mesmo também questionadas por denuncismos, foram devidamente reconhecidas em suas formalidades, finalidade e método por decisão judicial.

Por fim, informa que todas as providências cabíveis serão manejadas para que as alegações apresentadas sejam provadas judicialmente, assim como as devidas responsabilidades apuradas, por quem de direito.

A Diretoria