CHUPINGUAIA – Uma servidora pública, da Câmara Municipal de Chupinguaia, município ao sul de Rondônia, registrou boletim de ocorrência policial contra a prefeita do município, Sheila Mosso (DEM), acusando-a de tê-la ameaçado de morte.

Prefeita Sheila Mosso foi denunciada à Polícia Civil, acusada de ameaça de morte.

Segundo a denúncia, a prefeita estaria se sentindo incomodada com as atitudes da servidora e, na intenção de coagi-la, insinuou que a mataria caso continuasse incomodando. “Eu te conheço e sei quem você é. Tem uma pessoa que me procura sempre e quer acabar com sua vida, mas eu não quero isso, desde que você não me incomode, e você está me incomodando”, teria dito a prefeita, segundo transcrição do Boletim de Ocorrência.

A servidora ameaçada é representante do Sindicato dos Servidores Municipais do Cone Sul de Rondônia (Sindsul) e é lotada como Controladora Interna da Câmara de Vereadores de Chupinguaia. “Ela me persegue desde o dia em que me tornei representante do Sindsul, agora ficou bem claro a intenção dela”, disse a servidora.

Antes dessa denúncia, a prefeita já era interpelada pelos vereadores por ter acionado a polícia para prender o vereador Vanderci de Paula Campos, o “Alicate” (PV), que é presidente da Câmara de Chupinguaia.

O vereador cobrava o conserto de um pequeno caminhão que deveria atender pequenos agricultores e, ao ir fiscalizar os reparos, ele foi recebido por um grupo de PM’s. Como o Edil realizava trabalho pertinente as atribuições de vereador, a polícia não interveio, explicando que não cabia à polícia impedir a atuação do parlamentar, a não ser que ele estivesse ameaçando o patrimônio público, o que não aconteceu.

A prefeita Sheila Mosso, considerando as duas denúncias, tem demonstrado que herda traços do coronelismo, em que empecilhos e entraves políticos são tratados com rigor totalitário e pela força.

AMEAÇA DE MORTE

De acordo com a servidora municipal que diz ter sido ameaçado pela mandatária, as intimidações começaram depois que ela (servidora) deu parecer contrário sobre a aprovação de um Projeto de Lei referente ao aumento nos valores de plantões médicos. O pronunciamento da servidora aconteceu na sessão ordinária na Câmara de Vereadores do dia 11 de junho.

“A prefeita veio até a Câmara para conversar com vereadores, já que havia outra confusão em pauta (ter chamado a polícia para prender o presidente da casa de leis), ela foi até minha sala e falou sobre o Projeto de Lei. Eu falei tudo que já havia dito na sessão, que mesmo tendo sido aprovado, o PL estava irregular de acordo com a Lei De Responsabilidade Fiscal. Ela se alterou comigo e me ameaçou”, relatou a servidora.

Após a ameaça, a servidora procurou a polícia em Chupinguaia, mas o sistema de registro estava fora do ar. Ela seguiu até Vilhena, na quinta-feira (15), e registrou o B.O na Unisp local.

O presidente do Sindsul, Wanderley Ricardo Campos, juntamente com a vice, Sônia de Fátima, se comprometeram em acompanhar o caso de perto e ofereceu o corpo jurídico do sindicato para amparo da representante.

A reportagem do Expressaorondonia tentou ouvir a prefeita, mas não conseguiu contato com ela.