BRASÍLIA – A postergação e má vontade dos órgãos do Governo Federal – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama), Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit) e Fundação Nacional do Índio (Funai) não é nenhuma novidade quando se trata de liberação de licebnças ambientais para reabertura do tráfego na BR-319, ligando Porto Velho a Manaus (AM). Os estudos nunca terminam e nunca há uma explicação plausível para a demora. São sempre desculpes esfarrapadas, aquelas inventadas por funcionário público desidioso ou mal-intencionado.

BR-319 no trecho do conhecido ‘meião’, onde terá quer ser reasfaltado cerca de 400 quilômetros – Foto: Dhyeizo Lemos e Joel Arthus/ALEAM

A novidade agora, em si tratando de reabertura do tráfego na BR-319, é a disposição de um político do Amazonas – que deveria ser a parte mais interessada, mas, misteriosamente ninguém se mexe – demonstrar interesse pelo tema. No caso presente, trata-se da senadora Vanessa Grazziotin, que já vinha se ombreando ao senador Acir Gurgacz (PDT-Rondônia) pela reabertura do tráfego na BR-319.

A demora na conclusão dos estudos de impactos ambientais que vão permitir o reasfaltamento da BR-319, rodovia que liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO) motivou a Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) a fazer uma audiência pública na terça-feira (10).

Em fevereiro deste ano, o senador Acir Gurgacz liderou uma comitiva de jornalistas, empresários e com a presença do então chefe maior do Dnit, Valter Cassimiro, e do diretor nacional de licenciamento do Ibama para verificar in loco as condições da estrada e avaliar se está havendo algum impacto ambiental no entorno da rodovia, já aberto ao tráfego, mas somente no período de verão amazônico. A comitiva percorreu de ônibus o trecho Porto Velho-Manaus-Porto Velho, atestando a viabilidade do reasfaltamento da rodovia.

O colegiado quer que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) deem explicações sobre o andamento do processo, que deveria ter sido concluído no ano passado.

O requerimento foi apresentado por Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Acir Gurgacz (PDT-RO).

A audiência está marcada para começar às 9h.