PORTO VELHO – Um Viajante em Presepada é um curta de Jair Rangel, mais conhecido como Pistolino. É de Porto Velho, Capital de Rondônia. Cineasta sem formação acadêmica, ele produz, escreve, dirige e atua em seus filmes, influenciado por Mazzaropi e Charlie Chaplin. Faz preto e branco, cores e cinema mudo.

Jair já ministrou oficinas de cinema durante o FestCine Amazônia, anualmente promovido em Porto Velho por Jurandir Carvalho e Fernanda Kopanakis. Começou a carreira em 1998 e durante as gravações de seus filmes ele próprio, ele é o diretor, ator, roteirista, cinegrafista e inventor.

Conquistou o público no cinema no bairro, uma das partes desse festival. Lembra que, quando criança gostava de brincar de cinema no quintal da casa onde morava.  

Nunca pensou que um dia poderia fazer filmes ou mesmo oficinas de cinema. Ficou feliz ao ser convidado, e partir daí, só cresceu. Seus filmes curtas estão no YouTube.

Acompanhem.

“Fazia câmera de papelão e inventava histórias, chamava todos os meus amigos para participar das gravações”,  contou em entrevista ao jornalista Sílvio Santos, Zé Katraka.

Em 2012, a jornalista Marcela Ximenes escreveu no G1: “No fundo da casa de Jair, no bairro Aponiã, Zona Norte de Porto Velho, um ‘puxadinho’ é dividido entre a lavanderia e a oficina de criação. É lá que Jair faz suas peças artesanais, especialmente as réplicas das locomotivas da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré em poliéster.

“Entre uma locomotiva e outra, Jair cria as peças cenográficas, como um mosquito mecânico, que serão utilizadas em seus filmes. Ele inventou também uma câmera robô, controlada remotamente.

A criatividade de Jair Pistolino deu vida ao míssil que corre atrás dele e faz o maior barulho em O curioso matuto. “Os vizinhos não gostaram muito quando eu estava fazendo testes com o míssil aqui em casa. Parecia que ia explodir tudo”, conta.

“Jair também é o inventor das histórias que dirige e atua. Os storyboards são feitos por ele mesmo, com rabiscos de garatujas e uns desenhos que, às vezes, só ele entende. Perguntado como vai fazer para que Pistolino continue com suas aventuras, cheias de obstáculos, a resposta foi fácil: “Eu invento.” E que ninguém duvide dele, o Mazzaropi da Amazônia”.

Assista O Curioso matuto

Acesse o site: www.pistolino.com.br