PORTO VELHO – Troca de comando no Tribunal de Contas de Rondônia. Nesta terça, o Pleno do TCE-RO elegeu, por unanimidade, o conselheiro Paulo Curi Neto como presidente para o biênio 2020/2021. Também foram eleitos, os conselheiros Benedito Antônio Alves, como vice-presidente; José Euler Potyguara Pereira de Mello, corregedor-geral; Valdivino Crispim de Souza, presidente da 1ª Câmara; Edilson de Sousa Silva, presidente da 2ª Câmara; Francisco Carvalho da Silva, ouvidor; e Wilber Carlos dos Santos Coimbra, presidente da Escola Superior de Contas. Curi Neto assume o posto a partir de 1º de janeiro próximo, quando se encerra o mandato do atual presidente, Edison Silva, que introduziu no Poder uma série de mudanças, mas principalmente abriu as portas via transparência total, para as ações do Tribunal.

Edilson (E), aliás, ao deixar o posto, vai deixar algo em torno de 50 milhões de reais economizados pelo TCE, que serão doados ao Estado, para o futuro Hospital de Pronto Socorro da Capital. A verba será usada ou para a construção ou para compra de quase todos os equipamentos, caso as obras sejam feitas através do sistema BTS, em que uma empresa constrói todo o prédio e o aluga ao Estado, por prazos que começam com 15 anos. O jovem rondoniense Paulo Curi Neto (D) – filho do pioneiro e legendário William Curi, o homem da Cadoron na Era Teixeirão, e é o segundo rondoniense nato a dirigir o TCE (o primeiro foi o advogado e jornalista Rochilmer Rocha, já falecido) – tem a missão de manter a política e transparência do TCE e colocá-lo cada vez mais na vanguarda das ações de fiscalização da aplicação do dinheiro público em Rondônia.

Por: Sérgio Pires