PORTO VELHO – É inescapável percorrer uma rua da capital à noite e não notar a melhoria na iluminação pública. É, sem nenhum exagero, o único setor da prefeitura da capital que traz alguma visibilidade à administração municipal, em meio a um mar de notícias de setores que estão emperrados pela inação de seus gestores ou por ingestões políticas.

Neste caso específico, não seria demais afirmar que o serviço de iluminação pública em Porto Velho é, literalmente, uma luz no fim do túnel de uma administração tenebrosa que, entrando no terceiro ano, não consegue equacionar serviços como atendimento à saúde e o transporte escolar, para ficar em dois exemplos bem comezinhos.

O jovem portovelhense Thiago dos Santos Tezzari – oriundo da desastrosa administração de Mauro Nazif – parece mesmo um ponto fora da curva em meio a uma plêiade de puxa sacos, incompetentes que não justificam o salário que ganham e intolerantes capazes de levar o prefeito a perseguir quem não bate palma para a administração municipal.

Bacharel em história pela Fundação Universidade de Rondônia e em direito pela Uniron, em um ano e dois meses a frente da presidência da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano (Emdur), Thiago Tezzari conseguiu recuperar 25 mil dos 35 mil pontos de luz existentes na capital, melhorou a iluminação nos distritos – de Nova Califórnia, na divisa com o Acre, a Calama, na divisa com o Amazonas – e anuncia para breve a iluminação da ponte sobre o rio Madeira e do viaduto que está sendo concluído na confluência da rua Prudente de Morais com BR-364.

E qual é o segredo, já que outros gestores não conseguiram apresentar melhorias na iluminação pública? Basicamente, muito trabalho e exercício de boa liderança com os trabalhadores da companhia, desconversa Tiago. Ele trabalha com o mesmo número de servidores e com os mesmos equipamentos, caminhões e gruas.

Também contribui para o sucesso do trabalho de Tezzari na Emdur a definição de programas como o Proluz e o Proequipa, tocados com recursos da Contribuição Social para Iluminação Pública (Cosip), taxa paga até por quem mora nos sítios.

A pergunta que não quer calar é: porque em setores como Saúde e Educação, onde não faltam recursos, a administração municipal não consegue prestar bons serviços à população?

Veja a entrevista: 

Expressaorondonia – Quantos mil pontos de luz existem na cidade de Porto Velho?

Thiago Tezzari – Temos uma rede de iluminação pública na casa dos 35 mil pontos de luz e, na gestão do prefeito Hildon Chaves, temos o mérito de já ter visitado, revitalizado ou religado 25.000 pontos de iluminação.

Expressaorondonia – E qual é a programação para esses dez mil restantes ou estancou aí. É a capacidade máxima da Prefeitura?

Thiago Tezzari – Graças a Deus, estamos muito perto do que a gente chama de zona de conforto em iluminação pública. A gente tem conseguido manter a cidade na maioria esmagadora das suas regiões acima de 90% de funcionalidade dos pontos de luz. Essa é uma média que nunca foi alcançada antes e, de certa forma, mostra o quanto é prioritária para esta gestão a questão iluminação pública.

Expressaorondonia – O que você fez de diferente na gestão da Endur que a iluminação pública começou a aparecer, percebe-se que a cidade está mais iluminada e as outras gestões não conseguiam esse resultado?

Thiago Tezzari – Acho que a gente tem alguns aspectos que são importantes. Primeiro, nós tivemos a criação de dois grandes programas inéditos pelo prefeito Hildon. Um é o Proluz, programa de iluminação pública Rural da Prefeitura de Porto Velho. Esse Proluz já atendeu quase 30 comunidades e nós somos hoje referência em iluminação pública de zona rural, porque a gente sabe que a insegurança, o crime tá chegando à zona rural e a forma que a municipalidade tem de lutar contra isso é com a iluminação pública. Outro programa criado pelo prefeito Hildon Chaves é o Proequipa, que é o programa de iluminação pública dos  equipamentos públicos.

Expressaorondonia – O que são esses equipamentos?

Thiago Tezzari – Praças, quadras, campos de futebol. Já foram mais de 70 espaços públicos ou equipamentos públicos iluminados por esse programa. Hoje, praticamente, não tem mais praça, quadra de futebol ou campo de futebol no escuro em Porto Velho. Esse programa também tem sido um diferencial muito grande, principalmente para o pessoal que pratica esportes. Além disso, tem a questão da capacidade operacional, Hoje a Endur bate recordes de produção. Estamos conseguindo eliminar as reclamações pela falta de iluminação pública. Para você ter ideia do quanto já fizemos, quando assumir a Emdur, tínhamos em torno de 200 pedidos por dia para revitalizar ou instalar pontos de iluminação. Hoje não chega a 40, porque a Endur com a sua política de manutenção programada está conseguindo manter os pontos acesos, está conseguindo manter o ambiente iluminado. E o quarto eixo seria a iluminação das grandes obras, como o viaduto do Três e Meio, viaduto da Campos Sales, iluminação da BR – inicialmente até a Faro e depois até o bairro Novo.  Essas grandes obras chamam muita atenção da população. E o outro eixo seria o fortalecimento também das grandes avenidas. Estamos colocando uma rede a mais nas avenidas que só tinha uma rede de iluminação e cito como exemplo a Guaporé com Caúla, a Rio de Janeiro no trecho entre a Rio Madeira e a Rogério Werber, onde fizemos a implantação de um sistema novo. Então eu acho que esses são os grandes eixos da gestão. Mas temos grandes desafios para o futuro.

Expressaorondonia – Além das grandes avenidas e pontos de maior visibilidade, os bairros também estão sendo beneficiados? 

Thiago Tezzari Sim. Hoje temos na periferia, nos cantos mais extremos da cidade um sistema de iluminação que não existia antes. A atual gestão retirou aquelas lâmpadas amarelas de vapor de sódio e substituiu pelas brancas de vapor metálico. Hoje, a gente até recebe de muita gente que chega de avião na cidade foto de cima, a cidade é outra. Ela tá branca, bem iluminada. Praticamente todas as lâmpadas brancas que temos no sistema de iluminação pública da cidade já foram providências da gestão do prefeito Hildon.

Expressaorondonia – Sei que muitas vezes o gestor não gosta de entregar o segredo, mas você não respondeu a pergunta: porque outros gestores passaram por aqui e não conseguiram dar visibilidade ao trabalho de iluminação pública? Qual é o segredo?  Você continua com a mesma equipe. São as mesmas pessoas. Mas, porque na sua gestão, a iluminação pública aparece?

Thiago Tezzari Acredito que o apoio que a gestão deu para a Endur, o realinhamento da contribuição sobre iluminação pública (Cosip), que garantiu à empresa a possibilidade de ter os recursos necessários para o sistema de iluminação, Isso foi um grande diferencial, mas além disso a própria questão de formação de equipe.  Hoje nós estamos com os mesmos caminhões e com as mesmas pessoas do governo passado, a questão é que a gente conseguiu construir um entendimento de unidade, conseguimos fazer uma política de capital humano, de colocar os servidores certos nas missões adequadas.

Expressaorondonia – Qual é o orçamento da Endur hoje e o quanto a Endur já investiu em iluminação pública?

Thiago Tezzari Esse ano o nosso orçamento está na casa dos 15 milhões de reais e ano passado foram 13 milhões. Esse valor é praticamente tudo investido em iluminação pública, tudo executado. Importante lembrar que a Endur faz o pagamento da conta de energia sobre a iluminação pública e faz manutenção com os recursos da Cosip. Muita gente acha que a Ceron fornece energia de graça para iluminação pública. Seria o nosso sonho, mas não é assim.

Expressaorondonia – Um ponto que chama a atenção – exatamente pela ausência da iluminação pública – é a ponte sobre o Rio Madeira. A Emdur tem algum projeto para fazer iluminação da ponte sobre o rio Madeira?

Thiago Tezzari Temos. Só que tivemos muita dificuldade na concepção do projeto da ponte, porque ela não foi concebida para receber a iluminação pública. Então, tivemos muitas dificuldades na confecção desse projeto, mas vamos iluminá-la.

Expressaorondonia – Houve um erro de engenharia na concepção do projeto, já que se tratava de uma obra na área urbana?

Thiago Tezzari O que eu posso falar é que tanto os viadutos, quanto as pontes não foram concebidos com a estrutura necessária para receber iluminação pública.  Nós estamos tendo que fazer isso com uma obra já pronta, diferente do que vai acontecer agora no viaduto da Prudente de Morais, onde a gente vai poder planejar a iluminação pública com a obra ainda acontecendo. Na ponte, tivemos dificuldade de concepção de projeto e dificuldade na compra dos insumos adequados. Hoje estamos comprando os insumos adequados e estamos fazendo um ajuste de carga com a Ceron para que seja disponibilizada a energia necessária para que a gente possa começar essa obra.

Expressaorondonia – Esse então é o motivo pelo qual a ponte sobre o Rio Madeira ainda não esteja iluminada?

Thiago Tezzari O motivo são todas essas dificuldades elencadas e também uma priorização em atender as comunidades principalmente as comunidades mais isoladas em nossa cidade e depois atender a questão da ponte.

Prefeito Hildon Chaves: paradoxalmente, a única área em que a administração tem êxito é gerida por um remanescente da administração Mauro Nazif

Expressaorondonia – Há reclamação muito latente que é questão do valor da taxa da iluminação pública e algumas pessoas reclamam que quem mora na zona rural, paga iluminação pública, assim como ruas inteiras que não contam com um único ponto de luz. O que o presidente da Endur tem para falar para essas pessoas?

Thiago Tezzari As pessoas têm uma compreensão equivocada sobre a Cosip. Você não paga a Cosip pela luminária da frente da sua casa, você paga a contribuição de iluminação pública pelo direito de estar numa cidade totalmente iluminada. É uma contribuição que tem esse caráter difuso.  O que a gente mais escuta nas redes sociais é gente falando “eu pago, mas a da frente da minha casa está apagada”. Sim, mas toda aquela iluminação das ruas por onde você passa está acessa. Rodando pelas ruas de Porto Velho à noite, você vai passar embaixo 800 lâmpadas, e aí você vai deixar de pagar essa Cosip por causa de uma lâmpada que está apagada? A Cosip tem caráter difuso e, graças aos recursos desta contribuição, nosso parque hoje está 90% acesso e está na melhor condição em toda sua história. Agora, nós temos uma dificuldade histórica em Rondônia com relação ao preço da energia. Eu compreendo que a reclamação é muito mais sobre o preço da energia do que sobre o preço da Cosip. A Cosip apanha por estar no mesmo boleto de energia elétrica,

Expressaorondonia – Semana você estava em uma viagem ao Baixo Madeira; essa mesma qualidade da iluminação pública que a gente tem em Porto Velho, pode se verificar também nos distritos ou ainda é um passo à ser dado?

Thiago Tezzari Nós nunca tivemos nos distritos uma iluminação tão boa quanto temos hoje.

Expressaorondonia – É o mesmo padrão de Porto Velho?

Thiago Tezzari Sim e isso é inédito. Antes nós tínhamos um histórico na prefeitura de Porto Velho de refugo de material da capital, com a destinação aos distritos de material que era descartado para o uso em Porto Velho, Hoje isso não ocorre.  O que tem de mais moderno em iluminação é usado em Porto Velho e é usado nos distritos. Temos distritos com perto de 100% de iluminação pública e posso citar Vista Alegre do Abunã, Nova Mutum, Jaci Paraná. Acabamos de fazer uma grande operação em Extrema e no Baixo Madeira. É algo sem precedentes. Estamos conseguindo levar iluminação pública até ao Lago Cuniã, uma reserva de preservação ecológica próxima a capital, que conta até com um frigorífico que processa carne de jacaré, animal em ambundância no lago.

Expressaorondonia – E como a população tem recebido esse serviço?

Thiago Tezzari Bem, quem nunca recebeu esse serviço está bastante contente com a chegada da iluminação pública. Estamos fazendo a troca de lâmpadas e substituindo por mais potentes, com a iluminação branca. Sinceramente, sinto que a população está achando muito agradável. É claro que a gente não consegue agradar todo mundo e vou exemplificar com a questão dos campos de futebol. Quando começamos a iluminar os campos de futebol, acreditávamos que iriamos iluminar meia dúzia. Já iluminamos mais de 30 e há outros 30 na fila porque cada bairro vê o campo de futebol do bairro vizinho sendo iluminado e também vem solicitar o trabalho. Hoje, temos um conjunto de demanda que passou a existir pela qualidade do nosso atendimento. As pessoas nos questionam sobre as praças, nos questionam sobre os espaços públicos, porque é algo que a empresa passou a faze de um ano para cá.

Expressaorondonia – Há quanto tempo você assumiu a presidência da Emdur?

Thiago Tezzari Um ano e dois meses.

Expressaorondonia – Você tem registrado mais ou menos quantos pontos de luz foram recuperados neste período de um ano?

Thiago Tezzari Algo em torno de 18 mil.

Expressaorondonia – Para encerrar…

Thiago Tezzari Gostaria de enfatizar sobre a iluminação na BR-364. O prefeito determinou a prioridade de levar iluminação ao Trevo do Roque, uma grande obra de engenharia civil, onde vamos usar algo em torno de 70 postes e revitalizar a iluminação até a Unir. A gente precisa dar destaque a isso, a BR passou 11 anos com a iluminação pública apagada.

Expressaorondonia – E já tem um projeto, já tem prazo para a realização dessa iluminação até a Unir?

Thiago Tezzari Ainda no primeiro semestre desse ano.

Expressaorondonia – Muito obrigado pela entrevista

Thiago Tezzari Eu que agradeço. Obrigado!

Por: Carlos Araújo