Gestores de ONGs disputam a final do Prêmio Nacional do Turismo

32

Gestores de Organizações Não Governamentais, indicados pelos membros do Conselho Nacional de Turismo (CNT), estão entre os finalistas do Prêmio Nacional do Turismo 2018, organizado pelo Ministério do Turismo. O prêmio tem o objetivo de identificar, reconhecer e premiar iniciativas e casos de sucesso do turismo e profissionais que tenham inovado ou trabalhado de forma proativa para o desenvolvimento do turismo no país.

Conheça o perfil dos quatro profissionais selecionados na categoria ONG:

Jussara Rocha – canaliza sua formação nas áreas de história e turismo comunitário para criar soluções e facilitar projetos de impacto positivo e aceleração do desenvolvimento local. São mais de 20 anos dedicados ao conceito de negócio social na Raízes, empresa B que busca soluções integradas e comprometidas com transformações coletivas e sociais por meio da Associação Projeto Bagagem. A ONG fomenta, promove e fortalece o turismo de base comunitária no Brasil com projetos de geração de trabalho e renda, empoderamento social, aceleração de pequenos negócios e gestão de redes empreendedoras em diversos estados.

Maria América Ungaretti – coordena no Brasil a Rede ECPAT presente em mais de 80 países com status consultivo no Conselho Econômico e Social das Nações Unidas. A ONG tem como missão combater a exploração sexual de crianças e adolescentes e suas modalidades (prostituição, pornografia, turismo e tráfico). Um plano de ação desenvolvido entre o Ministério do Turismo e a Rede ECPAT Brasil, em conjunto com o Ministério dos Direitos Humanos, representa um avanço significativo para o enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes no âmbito do turismo.

Mônica Barroso – atua desde 2002 como empreendedora, gestora e consultora de projetos socioambientais e programas de geração de renda através do turismo de base comunitária. Desde 2015 ela está na ONG Associação Garupa e atua como consultora independente para a gestão de turismo social do SESC-SP.  Um dos destaques dde seu trabalho é o projeto Expedições Serras Guerreiras de Tapuruquara. A articulação entre a Garupa, o Instituto Socioambiental (ISA), a Associação das Comunidades Indígenas e Ribeirinhas (ACIR) e a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), busca estruturar um modelo de turismo indígena na bacia do Rio Negro (AM).

Thaise Guzzatti – criou a ONG Acolhida na Colônia na Serra Geral Catarinense com atividades turísticas em 152 propriedades rurais de 28 municípios de Santa Catarina. Os agricultores formaram 6 associações e uma federação estadual. Os turistas são recebidos nas casas de agricultores familiares. O turismo rural proporciona novos conhecimentos, valorização do trabalho e desenvolvimento, além de renda adicional a atividade agrícola com hospedagem, alimentação e produtos da colônia, entre outros serviços. A ONG também atua em outros municípios catarinenses e no circuito de agroturismo de Paraleiros, com 8 propriedades rurais e 3 pontos de apoio (projetos comunitários), na região metropolitana de São Paulo.

Para votar nos profissionais que estão concorrendo ao Prêmio Nacional do Turismo 2018 na categoria ONGs é só clicar neste link. Você também poderá votar nos profissionais finalistas de outras quatro categorias: Academia, Governo, Iniciativa Privada e Imprensa e mídias sociais. A votação estará disponível até o dia 29 de novembro. A premiação será no dia 5 de dezembro na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro.

Fonte: Ministério do Turismo