Depois de o Metrópoles mostrar que a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, fez ao menos 12 viagens bancadas pela Casa no ano passado, totalizando mais de R$ 75 mil em gastos com dinheiro público, a servidora resolveu dar sua versão dos fatos. Segundo Ilana, como os voos internacionais de 2018 ainda não podiam ser em classe executiva – de outubro para cá, um ato da Mesa Diretora do Senado autorizou o upgrade –, ela pagou do próprio bolso a diferença entre uma passagem na econômica para a executiva quando foi para Israel, Estados Unidos e Alemanha.

À reportagem, Ilana Trombka contou ainda que ficou nove dias em Israel por ter utilizado “dois dias de férias”. Dados obtidos pelo Portal da Transparência da Casa mostram que a diretora esteve na 1ª Conferência para Diretores-gerais e Secretários-gerais, realizada pelo país do Oriente Médio, em período maior do que a duração do curso. Apesar de o evento ter sido realizado entre 20 e 22 de fevereiro de 2018, a servidora esteve em Israel entre os dias 14 e 23 daquele mês. Só com passagens para essa viagem, foram gastos R$ 8.199,41.

“O Senado pagou cinco meias diárias. Nos demais dias, Ilana Trombka utilizou período de Carnaval somado a férias. Em outras palavras, não logrou diárias nesses dias que excederam o evento”, diz o comunicado enviado por ela ao Metrópoles.

“Ainda a respeito da jornada em Israel, o Senado Federal recebeu como retribuição visita de representantes do parlamento israelense em setembro de 2018, que vieram ao Brasil compartilhar avanços obtidos naquele Congresso (Knesset) em áreas como acessibilidade e segurança”, prossegue o texto. “Tais trocas de informação e de experiência são essenciais na busca da excelência na prestação de serviços, um dos compromissos do Senado Federal brasileiro”, completa.

A reportagem mostrou ainda que, em outubro do ano passado, Ilana foi à Europa. Ficou ao menos 14 dias no continente, com passagens de ida e volta para a Alemanha, onde participou do programa de estudos realizado pela Câmara Alta do Parlamento Alemão. “No caso da viagem a Berlim, novamente houve ressarcimento por parte de Ilana Trombka ao Senado, sempre recolhido na semana em que se deu a viagem. Além disso, a servidora tirou férias de cinco dias”, explica outro trecho do comunicado.

Por fim, Ilana foi também a Nova Iorque (EUA), onde permaneceu no período entre 13 e 20 de julho de 2018. Ali, participou do evento Columbia Women’s Leadership Network in Brazil. “Como nas outras ocasiões, recolheu o valor da diferença tarifária, R$ 2.052,10, relativa a upgrade na viagem aos Estados Unidos”, encerra o texto.

Quatro viagens para visitar o coach
Como o Metrópoles mostrou em agosto do ano passado, o Senado gastou milhões com cursos de um coach da moda para seus servidores. A diretora-geral da Casa esteve três vezes, durante o ano de 2018, fazendo treinamentos na Amana-Key Desenvolvimento e Educação – que se declara especialista em cursos de gestão, estratégia e liderança. Com isso, foram mais de R$ 5,5 mil só em passagens.

Também no ano passado, Ilana Trombka foi a Porto Alegre (RS) quatro vezes e cancelou uma quinta viagem. Na capital gaúcha, a diretora-geral participou de reuniões com professores de ciências da saúde, de conferência com legisladores estaduais e de uma feira do livro. Nesse último evento, a servidora ganhou R$ 2.224,22 em diárias.

Em fevereiro do ano passado, a servidora esteve em São Paulo para se encontrar com a diretora-executiva da Pandora Brasil, uma empresa de joias. Já no fim do ano, acompanhada da funcionária pública Juliana Borges dos Santos, Ilana Trombka foi para São Paulo participar do 1º Prêmio Viva, do qual era finalista na categoria empreendedorismo. As passagens das duas foram pagas pelo Senado Federal.