BRASÍLIA e PORTO VELHO – O discurso do senador Ivo Cassol (PR-RO), ácido em críticas ao Governo de Rondônia, não disfarça suas próximas pretensões. Em conversas com correligionários, ele comenta a vontade de se candidatar novamente ao cargo de governador. Para obras federais no estado, condiciona o seu apoio, propondo que o dinheiro proveniente de emenda da bancada federal seja liberado “via Funasa”. Classificou de “desastrosa” a gestão atual do governo. “Não conseguiu concluir nem sequer o projeto executivo para as obras de saneamento básico em Porto Velho”, acusou.

Na reunião da bancada federal com 17 prefeitos e vários vereadores, terça-feira (8), em Brasília, Cassol anunciou a liberação de recursos do orçamento para a construção do Hospital Regional de Ji-Paraná.

Cassol lembrou que, o município com mais de 150 mil habitantes, é o segundo maior de Rondônia e atende pacientes de 16 municípios, que viajam em busca de tratamento de saúde. Durante o encontro, ele e o deputado Nilton Capixaba (PTB-RO) receberam abaixo-assinado com mais de quatro mil adesões pedindo a construção do hospital.

A Aron apelou a deputados e senadores por emenda de bancada para obras de saneamento básico em 17 municípios. Estima-se que o projeto custe R$196 milhões e atenda a 193 mil habitantes.  Esse investimento diminuiria o custeio da saúde pública.

Cálculos do senador indicam: essas obras proporcionariam R$ 780 milhões em economia para o caixa das prefeituras. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “cada R$1 investido em saneamento, gera uma economia de R$ 4 na saúde com menos gastos com internações por doenças causadas pela falta de higiene”.

O dinheiro atenderá às necessidades de: Alto Alegre dos Parecis, Alvorada d’Oeste, Campo Novo de Rondônia, Candeias, Castanheiras, Costa Marques, Governador Jorge Teixeira, Nova Mamoré, Nova União, Pimenteiras d’Oeste, Rio Crespo, Santa Luzia, São Felipe d’Oeste, Guaporé, Seringueiras, Teixerópolis, Theobroma e Itapoã do Oeste.

SAIBA MAIS
Termina a greve na Caerd
Juíza vê indício de superfaturamento na venda da Caerd
Justiça ameaça prender a presidente da Caerd
Justiça impede farra de comissionados na Caerd