Sérgio Pires

OPINIÃO DE PRIMEIRA – Tem leis feitas com dezenas de artigos e parágrafos e que, lá no fim, não servem para absolutamente nada, na prática. Em outras, ainda pior: perdem-se no tempo, porque falta regulamentação. Seria necessária uma enciclopédia de 50 volumes pra colocar nela, ao menos uma pequena parte dessas leis/placebo, como aqueles tratamentos em que o que o paciente toma e não tem medicamento algum. O caso da Lei 3771, criada pelo Governo do Estado, nos tempos de Confúcio Moura e aprovada pela Assembleia Legislativa, é um exemplo clássico disso. Na letra fria, para quem não ler todo o texto, ela autoriza o abate dos milhares de búfalos que vivem na região da Fazenda Pau D´Óleo, no Vale do Guaporé. Nunca foi regulamentada. E nos seus artigos e parágrafos, impõe tantas exigências que, com um pouco de exagero, é mais fácil um búfalo matar uma pessoa do que ser eliminado por ela. Ora, esse problema dos animais trazidos para cá nos anos 50, se tornou uma verdadeira praga, na região. Chegaram aqui há 70 anos apenas 80 cabeças. Hoje são perto de 10 mil, embora o número não seja oficial. Sem predadores (o único animal que ataca um búfalo, alguns com mais de uma tonelada, é o leão), eles se multiplicaram e destroem o que encontram pela frente. No governo de Ivo Cassol houve uma tentativa de resolver o problema, liberando a caça a esses animais, com todos os cuidados e com a carne sendo distribuída a famílias carentes e às escolas, para merenda escolar. A grita de meia dúzia de ambientalistas foi tão grande, que parecia que se propunha o sacrifício humano para os deuses astecas. Ficou só na intenção. E o problema só cresceu.

No governo de Confúcio Moura, tentou-se criar uma lei do abate dos animais. Ela é tão complexa e inexequível, com um custo tão exagerado para os cofres públicos, que se tornou praticamente impossível a ideia ir em frente. Há cinco anos, o custo de um programa de abate estava na casa dos 6 milhões de reais. Hoje, esse valor poderia chegar, facilmente, a bem mais que isso. Ora, se fosse criado um projeto de caça, atraindo turistas para esse programa específico, além de não gastar nada, o Estado ainda ganharia muito. Mas essas coisas não passam pela cabeça dos que são geridos por meia dúzia de ONGs e ambientalistas que ditam as regras das nossas vidas. Agora, o pepino está nas mãos do novo secretário da Sedam, o competente coronel Elias Resende. Ele terá que decidir se regulamenta a lei antiga, que até agora não serviu para nada ou se cria outra, mais realista e com custo perto do zero para os cofres do Estado. O caso dos búfalos tem que ser resolvido. O perigo é que acabe aparecendo algum gênio, desses que sabem tudo das questões ambientais, querendo trazer leões para a Pau D´Óleo, para reduzir o número de búfalos. Porque, nessa região, onde a população não apita nada, mas mandam as organizações “não governamentais”, daquelas que só vivem do dinheiro público, tudo é possível!

DOM MOACIR E A HISTÓRIA

Com a morte de Dom Moacir Grecchi, aos 83 anos, nessa semana, depois de duas paradas cardíacas, segue para a História um dos personagens mais importantes da vida dos católicos, em toda a região norte. Nomeado pelo então Papa Paulo VI, como Bispo de Rio Branco, onde permaneceu por 26 anos, Dom Moacir veio para Porto Velho em 1998, permanecendo durante 14 anos como Arcebispo. Depois, tornou-se Arcebispo Emérito, até sua morte. Também foi importante na luta pela punição dos assassinos de Chico Mendes, aquele que se tornou um dos seus grandes amigos pessoais. Ele ficou conhecido nacionalmente quando enfrentou o violento deputado da Moto Serra, Hildebrando Paschoal, que havia se transformado, na época,  num verdadeiro terror para o Acre, tal a violência com que agia. Dom Moacir foi também um dos criadores do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e da Comissão Pastoral da Terra, entidade que presidiu por oito anos e, com a qual, enfrentou inúmeros conflitos. Uma das suas últimas contribuições das mais importantes para a sociedade, foi a de trabalhar muito pela criação da Faculdade Católica de Rondônia, hoje uma realidade consolidada. Foi um dos últimos grandes personagens da Igreja Católica com visibilidade nacional. Rondônia, seu povo e, especialmente os católicos, perderam um grande líder.

PELO FIM DO ”PONTO FACULTATIVO”!

Desde que assumiu a presidência do Tribunal de Justiça do Estado, o desembargador Walter Waltenberg Júnior acabou com o famigerado Ponto Facultativo. Eventualmente, o que há é a troca e datas de feriados, como vai aconteceu nessa semana. O TJ trabalhou segunda, terça (feriado) e trabalha nessa quarta. Quinta é outro feriado e a data que seria comemorada na terça, passou para sexta, aí sim propiciando um feriadão. A fórmula é inteligente. Dependendo do feriado, quando ele cai no meio da semana e pode ser trocado pela sexta seguinte, isso é feito. Quando não é possível a troca, por qualquer motivo, nada de Ponto Facultativo. Feriado num dia, trabalho normal no outro. É importante que outros órgãos que prestam serviço ao público, compreendam o quanto é nociva a paralisação advinda de “Ponto Facultativo”, sem dúvida um exagero, um abuso que a legislação brasileira permite. Apenas uma casta da sociedade, a dos servidores públicos, é beneficiada. Experimente um trabalhador comum exigir o Ponto Facultativo, para ver se, no dia seguinte, ele não estará na fila do desemprego! Temos que acabar com todo o tipo de benefício que não seja para todos. Igualdade é a única forma de democracia plena.

PARCEIRA DA MARINHA

A deputada Mariana Carvalho, do PSDB, é uma espécie da madrinha da Marinha brasileira na região norte. Graças às suas emendas, os programas sociais realizados em Rondônia e principalmente na região do Baixo-Madeira, podem ser feitos pelos marinheiros e seus navios, recheados de serviços de saúde. Milhares de ribeirinhos são beneficiados. Nos últimos anos, Mariana conseguiu liberar emendas de valor superior a 900 mil reais, para esse tipo de ação. Os recursos destinados por ela têm garantido assistência médica a ribeirinhos da Amazônia. Única parlamentar de Rondônia a prestar esse tipo de apoio à Marinha, a congressista destina à Arma, muitas de suas emendas, desde 2016. É por isso que ela já foi homenageada várias vezes. Na última, semana passada, foi agraciada com condecoração especial, alusiva aos 154 anos da Batalha do Riachuelo. O especial, nesse evento, é que tanto a parlamentar quanto sua mãe, dona Maria Silvia, conseguiram conversar por vários minutos com ninguém menos que o Presidente da República, Jair Bolsonaro, também presente à cerimônia. Bolsonaro, aliás, em outro encontro, dessa vez com o governador Marcos Rocha, aceitou o convite para vir a Rondônia no ano que vem, para abrir a Rondônia Rural Show. Ele disse que vem!

O EX QUE NÃO POUPA A GLOBO

Quem andou por Porto Velho, nesses dias, foi o jornalista William Waack, ex- apresentador e âncora do Jornal da Globo, aquele que foi defenestrado da Rede Globo, a quem tem retribuído com duras críticas, por onde passa. Em vídeos nas redes sociais, Waack tem repetido que a poderosa emissora errou feio “ao se aliar ao esquerdismo”, enquanto a maioria do país ia no sentido contrário. Ao participar de encontro dos revendedores de combustíveis de toda a região norte, em Porto Velho, o conhecido jornalista fez uma análise do momento político e econômico do país. Disse que o sistema presidencialista de coalização, que existe no país, amarra um pouco as tentativas de mudanças do presidente Jair Bolsonaro, mas destacou que mesmo assim tem conseguido avanços importantes, como a redução dos ministérios, o crédito suplementar aprovado pelo Congresso e o andamento do projeto da reforma da previdência. Para ele, a maior dificuldade do país é a existência de um nó político, que precisa ser desatado, para só então se pensar em maior desenvolvimento. Waack falou pouco sobre a Globo, embora nas redes sociais seus comentários ácidos e entrevistas, sejam sempre recheados de análises críticas sobre sua ex-empresa e a perda de espaço que ela está tendo na mídia nacional.

O DOCUMENTO QUE FALTAVA!

Quase mil famílias de um dos bairros mais pobres e distantes da Capital, o Socialista, estão vivendo agora, uma nova fase em suas vidas. Todas elas receberam das mãos do prefeito Hildon Chaves, de seus assessores e de um grupo de vereadores, que acompanhou o evento, o título definitivo de seus terrenos. Toda a solenidade foi recheada de emoção, com os moradores vibrando com o beneficio,  resultado de um  longo trabalho realizado pela Secretaria de Regularização Fundiária, a Semur, durante longos meses. O Prefeito da Capital anunciou que até o final deste seu mandato (ele deve ser candidato à reeleição), pelo menos 15 mil títulos definitivos deverão ser entregues às famílias portovelhenses que ainda não os têm. Hildon Chaves também confirmou que, pela primeira vez na história da cidade, os distritos serão incluídos neste grande programa de  regularização fundiária. Já estão definidos ao menos 3.500 títulos para União Bandeirantes e 1.500 para  e Nova Califórnia. Vem muito mais por aí…

VAI DAR ZEBRA DE NOVO?

Aquele que iria levar uma surra nas urnas; aquele que perderia a eleição de forma tão vergonhosa, que sua derrota entraria para a história como uma das maiores vergonhas americanas; aquele que todos os famosos de Hollywood ridicularizavam e poderiam até apostar suas carreiras de que não tinha chance alguma de chegar lá, esse mesmo, Donald Trump, lançou, nessa terça,  sua candidatura à reeleição à Presidência dos Estados Unidos. Mesmo triturado pela mídia norte americana; sempre tratado como uma figura exótica e quase como uma espécie de líder da política do ridículo, a verdade é que a grande mídia e os que se acham donos de corações e mentes americanos, não estão com essa bola toda. Há sim chances reais de que Trump consiga um segundo mandato. Será trucidado pelos que se dizem liberais, mas que na verdade defendem ideologias que a maioria dos americanos não concorda. Ou seja, será novamente a guerra da grande mídia, que aliás já anuncia novamente a derrota do atual presidente, mesmo um ano e meio antes da eleição, contra a posição bem mais conservadora da maioria da sociedade americana. Será que Trump cala a todos, mais uma vez?

PERGUNTINHA

O que você acha do teatro  que os admiradores do ex-presidente chefe de quadrilha estão fazendo, tentando enganar que o criminoso não é ele, mas os que o colocaram atrás das grades?