SÃO PAULO – Você já pensou como uma pessoa com deficiência visual faz para entender o mapa mundi? Alunos de uma escola pública de Minas deram um jeito criativo pra isso. Eles fizeram um mapa da América do Sul tátil, em alto-relevo e com surpresas, para que cegos compreendam parte do planeta onde vivemos. É o “Geografia Para Todos os Sentidos”.

Os rios são sulcos, com água. O deserto de sal dos Andes tem sal de verdade. Nas saídas de ar eles colocaram ar quente e frio, para explicar as consequências climáticas.  E tem ainda fios que guiam para informações escritas em Braile.

“Você não tem noção do tamanho desse projeto. Fiquei emocionado, disse o professor de artes Hugo Veiga, ao SóNotíciaBoa, depois de visitar a exposição que passou pelo Distrito Federal nesta semana.

Matheus Sant’anna Toledo, entre Gabriella Lamarca Furtado e Marcelle Andrade Ferrarez. Os três são autores do projeto que será liberado para colégios militares /Fotos Hugo Veiga

O mapa tátil “Geografia Para Todos os Sentidos” foi feito por alunos do Colégio Militar de Juiz de Fora, Minas Gerais e ficou exposto esta semana no Colégio Militar de Brasília, durante o 2º. Desafio Global do Conhecimento. A feira de ciências, com discussões para um mundo melhor, é uma simulação das conferências globais da ONU e termina neste sábado.

Os autores, acompanhados do orientador, 1º tenente Erodice Vagner da Costa
“Tenho orgulho de ver que essa iniciativa de inclusão do ensino vem de um dos Colégios Militares. Isso reflete perfeitamente os ideais de solidariedade, companheirismo e civismo que nos eram ensinados, quando eu era aluno do Colégio Militar de Brasília. Professor Hugo Veiga

O trabalho – feito para atender às necessidades de deficientes visuais, facilitar a inclusão e a acessibilidade com realidade visual de fatores fisiográficos – acabou atingindo também outros públicos.

Com a interação de vários sentidos, o projeto ajudou a ensinar também alunos com TDA (Transtorno de Déficit de Atenção), TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade) e autistas, que compreendem de forma lúdica as diferenças do mapa tátil.

“A abrangência educacional é ampla. Atende as áreas de Geografia, História e é interdisciplinar. A inclusão [que o mapa proporciona] é dinâmica e desenvolve a capacidade de aprendizado de todos”, disse o Tenente Costa, do Colégio Militar de Juiz de Fora, ao SóNotíciaBoa.

O projeto, segundo o Tenente, facilita a compreensão da espacialidade e a percepção dos relevos, do clima e da natureza, dizem os alunos autores.

O projeto

O mapa tátil foi feito artesanalmente, por isso seu custo foi baixo, disse o Tenente Costa.

E depois da exposição em Minas e Brasília, a ideia é levar o projeto para outras partes do Brasil. “Ele poderá ser reproduzido em todos os Colégios Militares e escolas públicas que assim o desejarem. É um projeto para o Brasil”, convidou o Tenente.

Leia também
Prefeitura identifica bocas de lobos que ameaçam deficientes visuais

Leia as notícias deste site