Carlos Araújo

PORTO VELHO – A empresa Santo Antônio energia divulga nota justificando que ainda não sabe o que provocou o desmoronamento do muro de proteção que tentam construir na orla do Madeira, na baía de Porto Velho.

Como assim, não sabe?

Uma empresa que constrói um empreendimento do tamanho da hidrelétrica mais rápido que tempo prevista não consegue construir um muro de arrimo?

O nome disso é barbeiragem de engenharia e o profissional que assinou o projeto desta obra deve ser chamado à responsabilidade.

E aí surge novamente aquela dúvida: quão seguro é a barragem da usina construída logo acima da cidade de Porto Velho?

Outra pergunta que não quer calar é: onde estão os órgãos que fiscalizam as obras, o Crea e outros?

Exemplos de obras bem feitas estão bem às barbas da Santo Antônio Energia. Basta ver as obras que os ingleses fizeram por ocasião da construção da estrada de ferro Madeira Mamoré. Todos ainda de pé e algumas – mesmo declarada patrimônio do povo, como as pontes feitas pelos ingleses em Jacy-Paraná e Mutum – estão sendo destruídas pelas usinas.

As lições dos ingleses não são assimiladas pela engenharia da Santo Antônio Energia.

Aliás, essa obra ameaçar destruir o que resta do patrimônio histórico da Madeira Mamoré em Porto Velho.

Eu mesmo visitei recentemente a obra e comentei com um trabalhador do Cai N’água que aquele serviço não suportaria uma cheia. E não precisava ser como a de 2014.

Não deu outra. Em pleno período de verão amazônico, com o leito do rio lá em baixo, o errocamento veio abaixo.

O que está faltando, senhores, construtores e políticos que os contratam, é zelo, amor pela cidade e respeito para com a população de Porto Velho, que já paga um custo social elevado pelo passivo de mazelas resultantes da grande onda migratória que para cá veio e pelos reflexos do próprio empreendimento que, segundo se comenta, passou por cima de muitas das condicionantes ambientais recomendada pelos órgãos ambientais e pela Justiça.

É uma vergonha que uma obra que mal começa a ser construída, anunciada com pompas e circunstâncias, venha à baixa sem nenhuma explicação.

É muita incompetência!!!

E um pouco de arrogância também…

O prefeito Hildon Chaves cultiva o hábito de desqualificar o interlocutor quando é avisado por alguém sobre algo que não vai bem no município.

Por Carlos Araújo

foto do rondoniaovio