José Hiran da Silva Gallo

O Dicionário Parlamentar e Político define eleitor como o “cidadão brasileiro, devidamente alistado na forma da lei, no gozo dos seus direitos políticos e apto a exercer a soberania popular, consagrada no artigo 14 da Constituição Federal, através do sufrágio universal, pelo voto direto e secreto”.

O texto ressalta ainda uma característica fundamental nesse processo: o valor igual atribuído a cada voto nas urnas eleitorais.  Por isso, a consciência da importância da vontade expressa pelos cidadãos deve ressaltada. Ela é decisiva para que os eleitores saibam que sua escolha deve ser respeitada, assim como a vontade da maioria manifesta na apuração dos resultados.

Nas eleições desse ano, 147,3 milhões de brasileiros estão aptos a votar. Desse total, 52,5% são mulheres e a metade tem entre 21 e 44 anos. Em Rondônia, ficam 1.175.733 dos eleitores do País, sendo 334.529 registrados em Porto Velho. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no País, o número de eleitores cresceu 3,14%, ou seja, em torno de 4,5 milhões de pessoas.

Nesse contexto, o estado de Rondônia pode ser considerado um colégio eleitoral modesto, se comparado às dimensões dos existentes em São Paulo, Rio de Janeiro ou Minas Gerais. Contudo, apesar de menos expressivo, lembre-se: cada voto rondoniense tem o mesmo peso das posições declaradas pelos eleitores do Sul ou Sudeste.

Essa equidade traz uma responsabilidade a mais para o eleitor: antes de fazer sua escolha, deve ser feita uma profunda reflexão sobre o que se espera para o futuro não apenas do ponto de vista individual, mas para todo o País. Para tanto, é necessário analisar os programas e ponderar sobre cada ponto das plataformas de campanha.

Como sabem, tenho interesse especial pela área da saúde. Minha vivência no atendimento dos pacientes me faz entender as dificuldades enfrentadas pela população e pelos médicos e outros profissionais das equipes de apoio na luta diária contra a doença e em busca do bem-estar. Também acredito que uma sociedade saudável – física e mentalmente – é fator indiscutível para o desenvolvimento da Nação.

Nesse sentido, recomendo que o eleitor – pela sua posição privilegiada – avalie com cautela os compromissos expressos pelos candidatos às Eleições Gerais de 2018 nessa área. Cada menção deve ser analisada, procurando identificar a pertinência das ações, suas possibilidades de serem executadas (ou não) e o real impacto positivo para a coletividade.

Nesta análise, é preciso ficar alerta em relação às intenções midiáticas, que têm tudo para ser manchetes, mas que, na hora da execução, se mostram impossíveis de virar realidade e, se saem do papel, não trazem o retorno esperado. Da mesma forma, devem ser evitados os discursos genéricos, sem profundidade e baseados no lugar comum, sem qualquer tipo de planejamento atrelado.

Segundo pesquisa recente do Datafolha, infelizmente, a saúde não ocupa posição de destaque nos planos de governo dos candidatos à Presidência. Os analistas avaliam que o excesso de generalizações significa compromissos limitados. Por exemplo, apenas três dos presidenciáveis falam em aumentar recursos para a saúde, porém nenhum explica como vai conseguir isso.

Por sua vez, sete candidatos propõem ampliação dos serviços oferecidos nos postos de saúde, o que incluiria diferentes formatos de atendimento ou de integração com as redes de especialistas. Só que não há menção de custos ou de como os planos seriam operacionalizados. Note-se ainda que as plataformas não falam em como enfrentar as filas de espera pelas cirurgias eletivas e a precariedade dos hospitais públicos, situações que tiram o sono dos pacientes.

Diante desse cenário, sugiro que o eleitor busque parâmetros para fazer suas escolhas. No que se refere às necessidades da área da saúde, é relevante conhecer o Manifesto dos Médicos em Defesa da Saúde do Brasil, elaborado pelas entidades médicas nacionais, dentre elas o Conselho Federal de Medicina (CFM). No texto divulgado, os profissionais fazem o diagnóstico da assistência à saúde da população e apontam medidas – simples e exequíveis – que podem corrigir as distorções encontradas.

Dentre as propostas, estão a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS); a qualificação da gestão para a melhoria da infraestrutura para atendimento a pacientes; e a criação de políticas de recursos humanos que valorizem médicos brasileiros – estimulando sua migração e fixação em áreas de difícil provimento –, como a criação de uma carreira de Estado, sob responsabilidade da União, para médicos que atuam na rede pública.

Para conhecer a íntegra desse documento acesse propostaspelasaude.com.br. Leia atentamente e divulgue para seus amigos e familiares. Na hora de escolher em quem votar, opte pelos candidatos que têm compromissos com essas mudanças. Não seja um eleitor de cabresto que, conforme explica o TSE, é aquele que vota sem fazer qualquer reflexão, apenas seguindo as instruções de um “cabo eleitoral” ou do “chefe político” local.

Em lugar disso, valorize seu voto, valorize suas escolhas, que devem ser conscientes. Sem dúvidas, essas são atitudes necessárias para que tenhamos um País melhor.

*Diretor-tesoureiro do Conselho Federal de Medicina; doutor e pós-doutor em Bioética